31 de dezembro de 2011

Bom Ano!

Desejo a todos um Ano Novo muito Feliz com tudo o que desejam e, acima de tudo, com muita saúde, paz, amor e trabalho na companhia de todos os que mais amamos. Que no novo ano nos concentremos no que é verdadeiramente importante na nossa vida. Vamos contrariar as tendências negativas e encarar o ano que começa com optimismo. Vamos acreditar que o novo ano trará coisas boas e que, com criatividade, vamos conseguir dar a volta a crise.

Deixamos este ano com o meu filho doente...

O meu piolho vai despedir-se de 2011 a tossir como se fumasse 3 maços de cigarros por dia. Apanhou uma variante de tosse convulsa e está num estado miserável. Voltámos aos aero-sois, ao atrovent, ao ben-u-ron, ao xarope e a tudo o que ele precisa para aliviar aquela maldita tosse. A noite passada foi para esquecer, pois o pequenito não conseguia dormir tamanha era a tosse e a indisposição. Só espero que passe. O pediatra disse que demora umas 2 semanas e que temos de ser muito pacientes, pois esta tosse (como todas as outras) dá um grande e profundo mal estar. Custa tanto, mas tanto, vê-los sofrer e em sofrimento.

30 de dezembro de 2011

O que é mesmo importante

No novo ano, quero cingir-me ao que é mesmo importante. Quero perder menos tempo e menos energia com o que, bem vistas as coisas, não tem importância nenhuma. Quero ser mais positiva. Saber agradecer o que tenho - e é tanta coisa boa - sem pensar tanto no que não tenho. Gostava tanto de ter uma varinha de condão que me ajudasse nesta mudança de espírito e de maneira de estar.

Nas passas, às 12 badaladas,que faço questão de comer na passagem de ano vou pedir saúde. Muita, muita saúde para poder amar aqueles que vivem no meu coração e para poder ver o meu filho crescer e tornar-se um rapazinho lindo, dia após dia. Peço ainda muita saúde para todos os que mais amo. Quando somos novos e nos desejam "muita saúde" achamos que é uma coisa quase ridícula e sem importância, mas à medida que vamos crescendo, e eu ainda sou uma jovem de 33 anos, vamos percebendo a importância da saúde e que, sem ela, tudo se desmorona.

Sendo assim, vou comer umas passas pela saúde, outras pela família e outras pelo amor, que se mantenha sempre presente, pedindo também para a sorte e o trabalho nos acompanharem em mais um ano das nossas vidas.

Uma agenda novinha em folha...

Linda. Personalizada com as fotos dos meus amores. Feita aqui. Adoro agendas em papel. Adoro recomeçar cada ano. Adoro apontar os aniversários, enquanto folheio a agenda antiga e olho para o que passou e projecto sonhos, projectos e vontades para o novo ano. Aproveitando este modelo, estes são os meus principais objectivos para o novo ano:

1: Saúde e equilíbrio emocional
Reduzir o stress

2: Carreira
Reduzir o stress no trabalho

3: Finanças
Continuar a poupar e tentar poupar ainda mais

4: Mudanças
Ter mais um filho

5: Estilo de vida e crescimento pessoal
Ser mais paciente e começar a fazer meditação e técnicas de relaxamento

6: Relações
Aproximação à família e amigos. Ser mais carinhosa, melhor ouvinte e mais tolerante...
Acredito sempre no novo ano como uma coisa boa, acredito sempre que tudo é possível, que tudo será melhor. Todos apontam 2012 como um ano fatal de crise, mas eu tenho boas energias para o ano que aí vem e espero, do fundo do coração, poder operar pequenas mudanças em mim que farão toda a diferença em todos os que me rodeiam.

Última sexta feira do ano...

Espero que no novo ano o meu trabalho seja menos complicado. Gerir uma equipa é muito difícil, principalmente se trabalhamos com pessoas criativas - nada está certo ou errado e depende do ponto de vista e sensibilidade de cada um - com deadlines muito apertados e com grandes niveis de stress. Peço para 2012 mais tranquilidade para saber gerir os stresses do dia à dia.

29 de dezembro de 2011

A pensar na festa do meu filho.

Com a ajuda da Joana Roque vou tentar fazer um lanche temático do Mickey.

Neste site, descobri uns convites muito giros para dar aos amiguinhos dos meu filhote.

Como o meu piolho faz anos a meio da semana que vem vou mandar um bolo para a creche, vou fazer uma festinha lá em casa para avós, tios e primos e, se São Pedro me ajudar, reuno os amiguinhos todos numa grande festa no sábado de manhã num parque ao ar livre.

A isto se chama começar o ano em festa!!

Xarope caseiro de cenoura

A tosse está a querer voltar a atacar o meu filho e hoje de manhã decidi fazer um xarope de cenoura para lhe dar à noite para ver se a tosse passa sem voltarmos às loucuras dos ventilans e dos aero-sois. A receita é muito simples e basta cortar a cenoura às rodelas, polvilhar com açúcar e deixar que a cenoura liberte a água que formará o xarope. Depois dou notícias deste método caseiro, que já me asseguraram que funciona.

Saldos...

De facto, os saldos não são para mim! Aquela confusão, o calor das lojas, o amontoado de roupa e os encontrões ilustram bem o que o meu marido ouviu ontem na rádio: "o primeiro dia de saldos dava um belo episódio do BBC Vida Selvagem". Só me safei bem na Pareil au Même onde comprei umas coisas giras e muito coloridas para o meu filho e na Mango de onde trouxe duas carteiras para fazer substituição de umas mais velhinhas.

28 de dezembro de 2011

Pensamentos para 2012

Gosto de pensar na meia noite de dia 31 de Dezembro como momento de viragem. Gosto de pensar nas 12 passas como nos 12 desejos e promessas para 2012. Não tenho sonhos materiais (uma casa junto de uma estação de Metro era fixe), mas há coisas que eu gostava de mudar, especialmente em mim e na maneira como vejo o mundo e lido com o stress. Cheguei até este post, que me levou até este blogue, que me levou até aqui. Vou analisar esta lista de objectivos para, desta forma, chegar aos que são mais importantes para mim e que quero implementar na minha vida, e na vida de todos os que me rodeiam, em 2012.

Saldos!

Há anos que não me dava para as compras, mas este ano estou cheia de vontade de comprar coisas novas, renovar o guarda-roupa e dar uma espreitadela nos saldos. Pelos preços a que as coisas já estavam nas promoções, acredito que sou capaz de encontrar coisas jeitosas e a bons preços. À hora de almoço vou dar uma volta pelo Chiado.

26 de dezembro de 2011

Um dia muito bom...

Com os meus homens em casa. O meu filho recuperou energias e brincou com os novos brinquedos que o Pai Natal através dos pais, tios, primos, amigos, avós e bisavós lhe deu. Agora vou guardar alguns brinquedos mais antigos, vou enviar outros para a minha mãe, emprestar uns ao filhote da minha querida manicura para ele se poder entreter e deliciar com as novidades. Cá em casa somos contra as crianças terem muitos presentes, mas com uma família gigante como a nossa, torna-se complicado evitar que ele receba muitas coisas. Por isso, vamos gerir a coisa até porque para a semana o piolho mais rico e lindo e fofo do universo faz 2 anos e cheira-me que vamos ser invadidos por mais Mickeys, livros, carros e jogos! A minha sala está uma confusão de brinquedos, mas sabem que mais, ADORO! É uma casa onde se vive, onde se brinca, onde cresce uma criança que é feliz! Eu não gosto de desarrumação, mas ainda gosto menos de casas-museu!

A loucura do nosso Natal

Como família grande que somos a loucura deste fim de semana foi tanta e a correria entre várias casas também, que a noite do meu filho foi agitada. Não sei se sonhava com todas as brincadeiras que teve, se com os presentes ou com os apertões da mais de uma dezena de primos com quem esteve. De manhã, não tive coragem de o acordar para ir para a escola e decidi que ficava a trabalhar em casa para ele poder descansar e eu também... Tal não foi o meu espanto quando às 10h30 da manhã - não me lembrava de ter dormido até tão tarde desde que fui mãe, e ele faz 2 anos para a semana - o meu marido entra com ele ao colo no quarto a dar bons dias. Eu olho para o meu marido, que tinha saído de casa às 8 e meia para ir trabalhar, e ele diz-me que se esqueceu que lhe tinham dado o dia de ponte no trabalho... Saiu de casa, bateu com o nariz na garagem do trabalho, percebeu o que tinha acontecido e voltou para casa com pão fresco. Estão ali os dois a brincar com os presentes que o meu filhote recebeu... Que bom! Um dia em casa e em família, depois da correria dos últimos dias.

De coração cheio...

É assim que me sinto hoje depois deste Natal. Sempre gostei do Natal, mas este ano com o meu filho já super participativo foi ainda mais especial. Ele adorou estes dias, que numa família enorme como a nossa foram de muita alegria, brincadeiras, abraços, beijos e presentes. Foi um corte com a rotina, foram dois dias alucinantes com direito a barrigadas de croquetes, noitadas e "moches" com os primos. Foi também a altura de ver alguns primos mais afastados, que só encontramos por esta altura, mas com quem o meu filho brincou com a alegria e o à vontade com que brinca com os outros com quem está diariamente. A loucura dos presentes foi enorme, mas o que ele mais gostou foi do presente que lhe deu a tia/ madrinha querida e que foram uns matraquilhos pequeninos. 
Julho 2011

Desde pequeno que ele adora matraquilhos e depois de receber este presente eu guardei os outros para abrir depois, pois nada mais interessava...



24 de dezembro de 2011

Feliz Natal

A todos os que por aqui passam desejo um Santo e Feliz Natal na companhia de todos aqueles que desejam mais próximos e que neste dia tão especial possa renascer mais uma vez a esperança e a alegria.
Muitas prendas no sapatinho recheadas de amor, carinho, paz e felicidade.

23 de dezembro de 2011

Bom dia!

Hoje o meu filho quando saiu da cama e lhe pedi um beijinho, tirou a chucha, agarrou a minha cara com as duas mãos, beijou-me na boca, sorriu e depois abraçou-me... BOM DIA, VIDA!

22 de dezembro de 2011

Apesar da crise...

A empresa onde o meu marido trabalha ofereceu-nos um capaz de Natal. A ideia é que num momento de crise as pessoas ainda têm se unir mais e que as empresas também têm que se esforçar para apoiar os colaboradores. Parece-me muito bem.

Obrigada, filhote...

O poema de Natal é muito bonito. Aguardamos pela manhã de Natal para, em conjunto, sabermos que presentinho nos fizeste, apesar de TU teres sido o melhor presente da nossa vida.

Erros da era moderna

Uma colega minha tem um amigo no facebook que pensava que era um dos nossos colegas. O colega em questão é um rapaz reservado, calado, que faz um horário próprio e que está sempre no seu gabinete a fazer revisão de texto. Hoje a nossa colega avisou que o dito rapaz fazia anos e, como manda a tradição, juntámo-nos todos para comprar um presente e cantar os parabéns. Quando o vimos chegar começámos todos a dar-lhe os parabéns, mas afinal o rapaz só faz anos em Março e nunca foi ao facebook... Ups!

Duas horas de puro prazer...

Que começaram com uma cadeira de massagem, uma lavagem à cabeça, uma máscara capilar e um belo corte de cabelo num ambiente zen ao som de rinôçérôse.

Reflexão...

É pena que uma decisão tomada em conjunto há 11 anos, tenha agora uma factura tão pesada para apenas um dos lados. É pena que o divórcio traga o pior das pessoas ao de cima. É pena que o dinheiro tenha o peso que tem. É pena que pessoas que estiveram casadas mais de 20 anos venham a descobrir que não conhecem a pessoa com quem tiveram casadas.

A S. foi mãe aos 40 anos. Por decisão dela e do marido deixou de trabalhar – trabalhava em televisão mais de 14h por dia – e dedicou-se ao filho, à casa, à família e ao cão. Não trabalhava, logo não recebia, mas pouparam em empregada e o facto de estar em casa permitia que o marido trabalhasse que nem um louco e investisse na carreira. Não só tratava da casa dela, como ajudava a mãe e todos nós sempre que precisamos. Está sempre disponível. Seja para ficar com os nosso filhos, seja para ficar a controlar a obra lá de casa, para nos levar o jantar quando estamos doentes ou para nos fazer um almoço de domingo para nos reunirmos em família. Entrou na minha vida há uns 8 anos, mas é quase uma segunda mãe para mim, e custa-me ver que agora que o marido decidiu que se queria divorciar ela esteja a viver um tormento porque não tem dinheiro e porque precisa de voltar a trabalhar com 50 anos e numa altura de crise como a que atravessamos. Há 11 anos, quando tudo estava bem, a decisão foi tomada a dois, agora, é cada um por si, com a mulher a ser penalizada como se estivesse estado os últimos 11 anos de papo para o ar sem fazer nada…

O cheiro do Natal...

Ontem a minha casa cheirava a bolacinhas de limão. Um aroma maravilhoso encheu a casa. O meu filho ajudou-me a fazer as bolachinhas de limão (esta receita deu-me para umas 100 bolachinhas) com estas formas do Ikea. O meu marido colocou-as no tabuleiro e no forno. Foi bom. Muito bom. Apesar do pouco tempo que estivemos juntos, estivemos em família. E depois foi embrulhar. Fazer pequenos embrulhos em papel celofane embrulhados com ráfia verde (foi preciso subir o IVA da ráfia para eu a comprar) e hoje distribuir pela educadora e auxiliares da salinha dele. Ainda sobraram alguns para oferecer a algumas primas no Natal. As etiquetas também são especiais e têm a forma da mão mais maravilhosa do mundo... a do meu filho!

21 de dezembro de 2011

Vestir à "cebola"

Uma amiga acabou de me mandar o link para o texto A técnica da "cebola" para combater o frio, do Blogue da Mini Saia, pois toda a gente que me conhece sabe que eu sou a pessoa mais friorenta do mundo e que ando sempre vestida em camadas, tipo cebola. Para os dias de muito frio recomendo umas camisolas muito fininhas em polar da Decatlon para vestir por cima de um top e antes de uma camisola de gola alta. Não há frio que entre. É também às camadas que o pediatra recomendou que vestisse o meu filho, para ir tirando se necessário e evitar que ele tenha muito calor na creche ou quando mesmo nos dias de Inverno como o de hoje fica calor à tarde.

Bolachas de limão

Vou experimentar estas bolachas da Bimby para fazer logo com o meu filho para depois ele levar às educadoras como lembrança de Natal.

Bolachas de Limão
Ingredientes:
250g açucar
250g manteiga
600g de farinha
3 Ovos
Casca de um limão

Introduzir a casca de limão no copo 6seg,vel-7
De seguida juntar ingredientes restantes,excepto 1/2 da farinha-20seg,vel6.
Por fim adicionar as 300gr de farinha e amassar 1,5m ,vel espiga.
Deitar a massa na manga de pasteleiro e desenhar os biscoitos sobre o tabuleiro .
Leve ao forno bem quente até alourarem.

Para amantes de botas, sapatos e sapatinhos

O site http://www.javari.co.uk/ é uma perdição para nós, para os maridos e para os filhos. Todas as marcas, modelos, tamanhos... Compensa imenso em termos monetários. Apaixonei-me esta manhã por umas Hush Puppies e vou à hora de almoço experimentar umas aos armazéns do chiado para depois mandar vir com mais confiança.

Bom dia!

20 de dezembro de 2011

Festa de Natal

A festa de Natal do meu filho foi um sucesso. Eu apanhei uma camada de nervos antes de chegar, pois o metro resolveu empancar e eu estava a ver que não conseguia chegar a tempo. Felizmente, consegui, e adorei ver o meu filhote vestido de pinheirinho... Que lindo que ele estava. Claro que quando as crianças viram os pais e o ginásio cheio de gente ficaram meios atordoados, mas lá conseguiram dançar e bater palmas! Eu, o maridão, a avó e a Tia I. estávamos felizes e super orgulhosos do nosso Cuquinhas!

Banheira FlexiBath parte II

Consegui arrastar o meu marido para o Colombo para ver a banheira na pre natal, mas esta era muito pequena. Não sei como é que eles dizem que dá até aos 4 anos. Vou ter de continuar a procurar para descobrir a melhor banheira para o meu filho. Continuo à espera de ideias. Não esqueçam que nós temos apenas um duche grande - onde actualmente está a banheira de pé dele - e precisamos de uma banheira grande onde ele se possa banhar à vontade e brincar com a água como ele tanto gosta.

Por que é que as pessoas não ficam caladas??


Gravidez de Luciana não foi planeada:

Grávida de quatro meses, Luciana Abreu falou pela primeira vez sobre a chegada do segundo filho, com Yannick Djaló, e garantiu que não estava nos seus planos ter um bebé nos próximos tempos. "Fiquei surpreendida porque estava a tomar a pílula. Estive doente e, ao tomar um antibiótico, acabei por cortar o efeito da pílula", disse a actriz à ‘TV Guia’. Antes de partir de férias para as Caraíbas, onde irá passar o Natal e Ano Novo em família, Luciana Abreu mostrou-se radiante com a gravidez, apesar de ainda não saber o sexo do bebé. "Com a Lyoncinha, ela só mostrou o pipi aos sete meses, mas já suspeitávamos que fosse menina. Agora, a coisa está a ir pelo mesmo caminho", disse, acrescentando que, com o segundo filho, a família fica completa. "A loja fechou aqui".

Será que a nova criança vai ter nome de antibiótico?! E que tal, Luciclamoló!

Boas notícias

Os próximos dias vão ser de muito sol! Yes!!!!

Banheira FlexiBath

Alguém tem esta banheira?

Estou tentada a comprá-la - em vermelhão - para o meu filho. É que nós só temos um grande duche onde ainda temos a banheira da bebé confort daquelas altas e com pés, mas ele precisa de mais espaço. Isto de duches modernos e casas de banho sem banheira são muito giras, belas ideias de arquitectos, mas depois na prática, quando chegam as crianças, são muito pouco práticas. E o meu filho não quer nem ouvir falar do chuveiro. 

Festas de Aniversário

O meu filho faz anos no início de Janeiro e precisava de saber se conhecem espaços cobertos onde dê para fazer uma festa caso esteja a chover. Em casa não dá convidar todos os nossos amigos e filhos, pois só avós, bisavós, tios direitos e primos somos 25. Por isso, no dia de anos juntamo-nos lá em casa ao fim do dia e no fim de semana juntamos família alargada e amigos. Cheio de sorte, o meu filho ganha duas festas de anos. Se tiver bom tempo vamos para um jardim, mas tenho de ter alternativas de interior. Precisava apenas de um espaço agradável, nada mais... Sugestões?

19 de dezembro de 2011

Uma história que me comoveu

Um amigo meu estava a fazer a sua primeira ronda nocturna com a Comunidade Vida e Paz quando um sem abrigo chegou junto da carrinha deles a pedir um cobertor ou umas calças, pois estava cheio de frio. Eles não tinham roupa para dar, apenas comida, e estavam aflitos a olhar para aquele homem cheio de frio numa noite gelada de Dezembro. Nesse momento, pára um carro, sai uma rapariga que se dirige a eles: "Vi que são da Comunidade Vida e Paz e gostava de saber se aceitam roupa". A senhora tinha um saco de roupa para dar no carro e aquele homem recebeu a roupa quente que precisava naquela noite. Para mim, esta é uma história de Natal que me faz acreditar em milagres e que Deus existe mesmo...

O maior estendal do mundo...

De 19 de Novembro a 6 de Janeiro podemos oferecer roupa e ajudar muitas famílias carenciadas apoiadas por instituições de solidariedade social. Mais informações, aqui.
 

Faltam as luzes de Natal

Não conseguia perceber porque é que este ano não sentia que o Natal estava tão perto, até que uma amiga me disse que sem as luzes de Natal a época era diferente e foi aí que se fez luz na minha cabeça. É mesmo isso. Tal como um reflexo pavlov quando as luzes se começavam a acender na rua eu ia fazendo contagem decrescente para o Natal. Este ano, sem iluminações de rua, parece que o Natal ainda vem longe...

Leopoldina

Estou rendida à música "indo eu indo eu" na fabulosa versão do Rui Pregal da Cunha para o CD da Leopoldina. Fantástico. Oiçam aqui e comprem todos o CD que está muito bom. Custa 3€, sendo que 1€ reverte a favor da Missão Sorriso, que apoia projectos desenvolvidos em unidades de pediatria e hospitais pediátricos nacionais

Festival Panda

A maior loucura da vida do meu filho! AMOU! Cantou e dançou sempre em pé durante o tempo todo e foi a alegria total. Fomos com uma das minhas cunhadas e com uma sobrinha e foi super divertido! Estava com receio que ele fosse muito pequeno, mas ainda bem que fomos porque ele aproveitou ao máximo!

17 de dezembro de 2011

O meu pedido ao Pai Natal

Na minha opinião, o tempo é o bem precioso dos nossos tempos. E eu sofro muito com falta dele, ou melhor, gostava que eu, o meu filho e o meu marido tivéssemos mais tempo uns para os outros durante a semana. Acho que vai ser este um dos meus pedidos ao Pai Natal: que nos consigamos organizar melhor para termos mais tempo para o que é realmente importante.

16 de dezembro de 2011

Desencriptar desejos do meu filho

No carro esta manhã pusemos o CD das "Músicas da Carochinha" e quando aquilo começou a tocar o meu filho disse: "música mão"... Eu e o meu marido sem sabermos qual era a música da mão. Começámos na primeira até que ele se denunciasse e foi a alegria quando chegámos às "Pombinhas da Catrina"!

Este blogue recomenda...

O Caderno de Maya, o mais recente romance de Isabel Allende. A capa é pavorosa, mas o livro lê-se com muito entusiasmo do princípio ao fim.

15 de dezembro de 2011

Com uma neura do tamanho do mundo!

Acordar com o p. que tinha atrasado só para me levantar falsas esperanças, não ter o meu filho em casa para beijocar, pois tinha dormido na avó para nós fazermos compras de natal sem o martirizar com uma ida para o centro comercial e uma reunião com pessoas incompetentes foi o suficiente para me deixar com um humor de cão. Estou a almoçar um pacote de pipocas do pingo doce, as melhores do mundo, para ver se um pouco de açúcar me adoça o dia...

14 de dezembro de 2011

Acham que é batota?

Pedi ao meu filho para pedir um mano ao Pai Natal...

Obrigada pela sugestão

Descobri esta banda, graças a este blogue que sigo diariamente. Obrigada

Malditos buracos desta cidade

A chegar à escola do meu filho ao fim do dia caí num buracão, que não vi mesmo, e percebi logo que a coisa tinha sido agreste. Parei logo mais à frente e confirmei que tinha rebentado o pneu. Em contra relógio, com a creche a fechar, liguei para o ACP - se há dinheiro bem empregue é para sermos sócios deste clube - e passados 10 minutos tinha um senhor que, sob o olhar atento do meu filho, me subsitituía o pneu pelo suplente. A certa altura passa uma coleguinha dele mais velha (com uns cinco anos) e ao ver as ferramentas todas ali espalhadas disse logo que aquele senhor era o Manny mãozinhas. ainda me ri, apesar de ter sido a única a perceber, e lá expliquei ao senhor do ACP e à avó da criança quem era o tal Manny Mãozinhas...

E uma suguestão bem docinha...

Para quem quiser encomendar bolos para o Natal, e não só.

http://www.docinhosdacata.blogspot.com/

A responsável é minha amiga e os doces dela são de comer e de chorar por mais.

Uma música por dia



E hoje deixo-vos com a música que o meu filho anda a ensaiar para a festinha de Natal!

13 de dezembro de 2011

Não repitam em vossa casa!

O dorminhoco do meu filho hoje (e todos os dias úteis da semana) não queria sair da cama. Eu, mãe fofinha e dorminhoca, que me lembro do que me custava (e custa) sair da cama para ir para a escola, resolvi fazer o que às vezes a minha mãe me fazia (ou era eu que fazia mais tarde, já não me lembro) e comeceu a vesti-lo na ronha da cama. A parte de cima correu bem até que eu lhe tirei fralda e fui buscar as dodot's... e ouço assim: "Mãeee" e quando olho tenho o meu filho de pé em cima da cama em versão Manneken Pis...

Uma música por dia

Vidas de segundo filho

Como sabem o que eu mais quero é voltar a engravidar, mas fiquei um pouco ansiosa por tudo de mau que aconteceu à minha grande amiga na semana passada e pela péssima experiência que ela está a viver. Além da bebé ter nascido com uma deformação do joelho devido a complicações no parto e com baixo peso, a minha amiga ficou muito mal tratada, porque a bebé não saía, tiveram de recorrer a forceps e ventosas, teve de levar dezenas de pontos, pontos esses que abriram...
A minha experiência, incluindo a própria gravidez, foi maravilhosa! Foi tudo um sonho, mágico, até à privação do sono dos primeiros meses, em que eu andava completamente zombie...

Bom dia!

Com os amigos preferidos do meu filho! Só falta a "Magarida".

12 de dezembro de 2011

Atenção! Não comprem nada Lets Bonus!

A nossa experiência com esta empresa de vouchers e serviços correu MUITO MAL! O  meu marido comprou-me uma massagem que nunca consegui marcar durante a validade da mesma. Percebi perfeitamente que estavam a empatar para que esta passasse de validade. Nos vários contactos foram sempre MUITO MAL EDUCADOS. O meu marido reclamou junto do Lets Bonus para nos devolverem o dinheiro e até agora nada. Já passaram vários meses, vários contactos e várias reclamções e o serviço não podia ser PIOR. Há cada vez mais empresas e sites destes, mas o Lets Bonus funciona muito mal, pelo menos no nosso caso foi péssimo! A vontade é fazer queixa à deco.

Uma música por dia

O meu querido avô Zé

Está muito, muito velhinho... Tem 88 anos, mas nunca o tinha visto tão mal como agora. Este fim de semana passou mal, estive lá em casa dele e da minha avó, mas o meu avô nem com a minha presença - que sempre foi a alegria da vida dele - se animou. Sempre teve menos energia que a minha avó, mas noto que decaiu bastante... Quando lá estive no sábado cheguei a pensar que era a última vez que o via. De pijama e robe (nunca andam de pijama em casa) sentado junto à braseira, de olhos  fechados, a dormitar e com a respiração pesada... A minha avó bem dizia para ele ouvir o que eu estava a contar do passeio a Madrid, mas o meu avô não tinha forças... Hoje foi ao médico com a minha mãe e o que o médico disse foi que não há nada a fazer. É degenerativo e que temos que nos preparar para ir perdendo as últimas forças. Sempre foi uma presença muito forte e muito presente na minha vida. Fui a primeira neta e tive tudo a que tinha direito. Sempre fui a luz da sua vida, a menina dos seus olhos... Até há pouco tempo ligava-me todos os dias para saber como tinha sido o dia. A ver se nestes dias consigo ir visitá-lo mais vezes, pois sinto que em breve será mais uma estrelinha no céu... Não tive oportunidade de me despedir do meu pai, e quero conseguir fazê-lo convenientemente com o meu avô...

8 de dezembro de 2011

Uma música por dia

"Obigado, pai"

Foram estas as palavras matinais do meu filho quando o meu marido lhe deu o brioche ao pequeno almoço. Desde a semana passada que sempre que alguém lhe dá alguma coisa o meu filho agradece. Nós bem que lhe ensinávamos isto desde pequeno e ele ouve-nos agradecer sempre que nos dão algo e, assim de repente, o obrigado passou a fazer parte do vocabulário dele. (E a mãe super babada...)

Um presépio muito original...

Já tínhamos o nosso presépio, mas hoje lembrei-me de um presépio que uma cunhada me tinha dado e que era de quando o meu sobrinho era pequeno e fui buscá-lo e rendi-me... O presépio é a coisa mais querida do mundo. É um pequenino teatro - com variante de dia e de noite - em que podemos mover as peças que têm iman em baixo. O meu filho ficou tão deliciado que resolvi mandar amanhã para a creche para todos fazerem um teatrinho de Natal na sala dele. Espero que gostem.






6 de dezembro de 2011

Herdade de Cadouços

Como prometido, aqui ficam algumas das fotografias que tirámos na Herdade de Cadouços, perto de Abrantes, local fantástico que recomendo a todos. Quem tiver aqueles pacotes A Vida é Bela, este é um dos alojamentos disponíveis.









Já tenho o meu cunhado surpresa

Já aqui disse que o meu marido é o mais novo de sete irmão e, na família, desde que são todos grandes com famílias formadas que no Natal não dão presentes a todos, mas faz-se um sorteio de um irmão/cunhado a quem dar o presente. Assim, em vez de darmos 12 presentes, damos apenas um. Geralmente, este sorteio traz alguma batota, mas este ano decorreu sem trocas de papelinhos e já sei quem vou presentear. Claro que os 7 sobrinhos não entram no sorteio e recebem presentes de todos os tios. Como o meu filho faz anos no dia 4 de Janeiro vou guardar alguns presentes do Natal e dos anos para ir dando nos meses seguintes não vá o miúdo ficar tonto com cada brinquedo. Eu e o meu marido não temos o hábito de o encher de presentes - a maioria dos brinquedos que tem herdou dos primos ou de filhos de amigos - pois achamos que eles devem ir brincando com poucas coisas de cada vez para descobrirem os brinquedos, darem valor e não se perderem numa imensidão de brinquedos.

Vidas natalícias!


Ontem à noite, antes do meu filho ir dormir, montámos em família a árvore de Natal e confesso que foi a árvore que mais gostei de enfeitar. O meu filho ajudou-me, ia colocando as bolas e dizendo boa! No fim, com ele já deitado, dei os últimos retoques e espalhei os enfeites pelas árvores, uma vez que estavam todos ao nível do meu piolho. Ele adorou e gostou ainda mais quando a viu hoje a brilhar. É tão bom ser mãe, é tão bom sentir tanto amor pelo meu filho e amá-lo perdidamente!

Bem vinda, Maria Rita

A minha grande amiga C. teve a sua bebé, mas infelizmente as coisas não correram como era suposto. O parto, antes de tempo, complicou-se e quando a bebé nasceram a médica, ainda no bloco, disse que a bebé tinha uma má formação. Só no dia seguinte a tranquilizaram dizendo que o problema no joelho não deveria ser má formação, mas derivado ao parto. A confirmação veio hoje e parece que, felizmente, a bebé é sudável e vai recuperar do que aconteceu. Ninguém está preparado para ouvir uma coisa destas e o bom senso deveria prevalecer. Ninguém deve receber uma notícia assim, principalmente quando não se tem a certeza do que realmente se passa. Felizmente, mãe e filha estão bem e eu espero ir amanhã visitá-las e enchê-las de mimo.

Presépio especial

Não está lindo o presépio feito por nós e por todos os pais dos coleguinhas do nosso filho? A nossa ovelhinha, feita com a grande ajuda da amiga A., é a colorida lá de trás!

5 de dezembro de 2011

Madrid Parte 2 - Que grande cidade!

Já não ia há uns anos a Madrid e resolvemos tirar 4 dias para ir até lá visitar uns amigos que já trabalham fora há uns anos e que agora estão na capital Espanhola. Vim completamente rendida àquela cidade. É verdade que Espanha também atravessa uma grande crise, mas o espírito deles é outro! Falam da crise, mas dizem que a coisa vai mudar. Há gente nas ruas, as tabernas estão cheias de gente comendo tapas, as pessoas estão animadas e com força e vontade para enfrentar o futuro. Andar naquelas ruas limpas (não vi um único cóco de cão em Madrid) dá gosto, os passeios são largos, os prédios estão todos recuperados, os jardins estão cheios de crianças a brincar e adultos a correr, a fazer desporto, a passear os cães. Vê-se que é uma cidade que está feita para as pessoas viverem e desfrutarem bem dela. Os transportes públicos são super eficientes e a preços razoáveis e há cultura por todo o lado, com bastantes exposições gratuitas e que valem a pena. Nós fomos à CaixaForum Madrid ver uma exposição muito boa do Delacroix, mas havia muitas mais. Eu adoro Lisboa, tenho cá a minha família e amigos, mas se tivesse oportunidade pirava-me para Madrid em Janeiro com o meu maridão e o meu filho. Madrid é uma verdadeira cidade europeia onde deve dar gosto viver. Custa-me ver a nossa cidade a ficar cada vez mais degradada e o centro cada vez mais vazio. Custa-me pagar fotunas por transportes públicos que são insuficientes. Custa-me viver numa cidade cada  vez mais envelhecida. Custa-me não poder rebolar na relva dos parques com o meu filho porque os jardins de cá são para os cães. Custa-me ter de andar pela estrada com o carrinho do meu filho porque os passeios estão ocupados pelos carros. Se calhar, se fosse viver para Madrid ia encontrar montes de coisas que me desagradavam, mas nestes dias só vi coisas que gostei. Há quem não goste de espanhóis, mas como sempre fui muito para Espanha e parte da família do meu marido é espanhola eu gosto imenso deles e dos hábitos que têm. Se calhar a questão não era ir viver para Madrid, mas que quem manda devolvesse Lisboa aos habitantes e a tornasse numa cidade aprazível para viver e estar.

Madrid Parte 1 - Madrid e crianças

Madrid é uma cidade fantástica para visitar com crianças. As ruas são fantásticas para andar com os carrinhos, há parques infantis em quase todos os quarteirões, os transportes são óptimos e como é uma cidade maravilhosa, os pais andam felizes, logo, os filhos também.

A nossa experiência de ir a Madrid com o nosso filho de 23 meses não podia ter corrido melhor. Decidimos ir de carro, tínhamos de levar cama de grades e carrinho, e a viagem fez-se muito bem. O meu filho portou-se bem e dormiu bastante e fomos parando para ele brincar. Foram 6 horas para lá e outras tantas para cá, mas foi muito tranquilo.

Em Madrid, passeámos imenso e o nosso filho foi um companheirão. Sempre bem disposto entrou no espírito e na movida Madrilena. Comeu tapas, passeou nos jardins do Retiro, deu pão aos patos no Lago da casa de campo, assustou as guardas no Guernica quando saiu do carrinho no museu Reina Sofia, subiu a escadaria do Templo de Debode para ver o pôr do sol, encontrou o Mickey e a Minnie nas Puertas del Sol (ia-lhe dando um ataque ao ver os seus herois ali, mesmo em frente, e a Minnie até lhe pegou ao colo!), comeu churros e bebeu chocolate quente, delirou com as escadas rolantes das várias estações de metro (que linhas fantásticas que vão a todo o lado), viu o estádio do Santiago Barnabéu e esbugalhou os olhos com a multidão de gente que invadia a Gran Via no sábado ao fim da tarde.

Foram 4 dias sem rotinas, mas com uma boa disposição imensa, sempre na companhia dos pais. Que bons que foram estes dias!

30 de novembro de 2011

Que correria...

Os meus dias são alucinantes. Eu sou pessoa bastante despachada e enérgica, mas só peço para ter um coração forte, pois eu ando sempre no limite das minhas forças. Não descanso enquanto não faço tudo o que tenho para fazer e sou incapaz de estar quieta. O meu trabalho está a loucura e depois de dias alucinantes de trabalho passo para o melhor turno do mundo, o de ser mãe do meu filho, tratar da casa, do marido e de tudo (como quase todas as mulheres), mas sempre a pensar no que ainda tenho que fazer antes de cair na cama. Não quero ser super mulher, mas gostava e precisava que o meu dia tivesse mais horas. Hoje, por exemplo, para poder conseguir dar uma escapadela até Madrid nos próximos dias tenho que deixar trabalho feito (trabalho para televisão e não tenho feriados) e mesmo assim tenho que trabalhar enquanto estiver por lá, preparar as malas, meter umas broas no forno, pois não quero chegar a casa dos nossos amigos de mãos a abanar, deixar recado à mulher a dias que cá vem e é nova e anda aí um bocado às aranhas e eu preciso que, pelo menos, não se esqueça de alimentar as gatas... Estou cansada e vou andando, que ainda tenho muito que fazer. Mas, se tudo correr bem, de manhã enfiamos a tralha toda na carrinha e... Olé! Madrid!

Crónica: Um segredo de um casamento feliz

Por Miguel Esteves Cardoso:
Desde que a Maria João e eu fizemos dez anos de casados que estou para escrever sobre o casamento. Depois caí na asneira de ler uns livros profissionais sobre o casamento e percebi que eu não percebo nada sobre o casamento.
Confesso que a minha ambição era a mais louca de todas: revelar os segredos de um casamento feliz. Tendo descoberto que são desaconselháveis os conselhos que ia dar, sou forçado a avisar que, quase de certeza, só funcionam no nosso casamento.
Mas vou dá-los à mesma, porque nunca se sabe e porque todos nós somos muito mais parecidos do que gostamos de pensar.
O casamento feliz não é nem um contrato nem uma relação. Relações temos nós com toda a gente. É uma criação. É criado por duas pessoas que se amam.
O nosso casamento é um filho. É um filho inteiramente dependente de nós. Se nós nos separarmos, ele morre. Mas não deixa de ser uma terceira entidade.
Quando esse filho é amado por ambos os casados - que cuidam dele como se cuida de um filho que vai crescendo -, o casamento é feliz. Não basta que os casados se amem um ao outro. Têm também de amar o casamento que criaram.
O nosso casamento é uma cultura secreta de hábitos, métodos e sistemas de comunicação. Todos foram criados do zero, a partir do material do eu e do tu originais.
Foram concordados, são desenvolvidos, são revistos, são alterados, esquecidos e discutidos. Mas um casamento feliz com dez anos, tal como um filho de dez anos, tem uma personalidade mais rica e mais bem sustentada, expressa e divertida do que um bebé com um ano de idade.
Eu só vivo desta maneira - que é o nosso casamento - vivendo com a Maria João, da maneira como estamos um com o outro, casados. Nada é exportável. Não há bocados do nosso casamento que eu possa levar comigo, caso ele acabe.
O casamento é um filho carente que dá mais prazer do que trabalho. Dá-se de comer ao bebé mas, felizmente, o organismo do bebé é que faz o trabalho dificílimo, embora automático, de converter essa comida em saúde e crescimento.
Também o casamento precisa de ser alimentado mas faz sozinho o aproveitamento do que lhe damos. Às vezes adoece e tem de ser tratado com cuidados especiais. Às vezes os casamentos têm de ir às urgências. Mas quanto mais crescem, menos emergências há e melhor sabemos lidar com elas.
Se calhar, os casais apaixonados que têm filhos também ganhariam em pensar no primeiro filho que têm como sendo o segundo. O filho mais velho é o casamento deles. É irmão mais velho do que nasce e ajuda a tratar dele. O bebé idealmente é amado e cuidado pela mãe, pelo pai e pelo casamento feliz dos pais.
Se o primeiro filho que nasce é considerado o primeiro, pode apagar o casamento ou substitui-lo. Os pais jovens - os homens e as mulheres - têm de tomar conta de ambos os filhos. Se a mãe está a tratar do filho em carne e osso, o pai, em vez de queixar-se da falta de atenção, deve tratar do mais velho: do casamento deles, mantendo-o romântico e atencioso.
Ao contrário dos outros filhos, o primeiro nunca sai de casa, está sempre lá. Vale a pena tratar dele. Em contrapartida, ao contrário dos outros filhos, desaparece para sempre com a maior das facilidades e as mais pequenas desatenções. O casamento feliz faz parte da família e faz bem a todos os que também fazem parte dela.
Os livros que li dão a ideia de que os casamentos felizes dão muito trabalho. Mas se dão muito trabalho como é que podem ser felizes? Os livros que li vêem o casamento como uma relação entre duas pessoas em que ambas transigem e transaccionam para continuarem juntas sem serem infelizes. Que grande chatice!
Quando vemos o trabalho que os filhos pequenos dão aos pais, parece-nos muito e mal pago, porque não estamos a receber nada em troca. Só vemos a despesa: o miúdo aos berros e a mãe aflita, a desfazer-se em mimos.
É a mesma coisa com os casamentos felizes. Os pais felizes reconhecem o trabalho que os filhos dão mas, regra geral, acham que vale a pena. Isto é, que ficaram a ganhar, por muito que tenham perdido. O que recebem do filho compensa o que lhe deram. E mais: também pensam que fizeram bem ao filho. Sacrificam-se mas sentem-se recompensados.Num casamento feliz, cada um pensa que tem mais a perder do que o outro, caso o casamento desapareça. Sente que, se isso acontecer, fica sem nada. É do amor. Só perdeu o casamento deles, que eles criaram, mas sente que perdeu tudo: ela, o casamento deles e ele próprio, por já não se reconhecer sozinho, por já não saber quem é - ou querer estar com essa pessoa que ele é.
Se o casamento for pensado e vivido como uma troca vantajosa - tu dás-me isto e eu dou-te aquilo e ambos ficamos melhores do que se estivéssemos sozinhos -, até pode ser feliz, mas não é um casamento de amor.
Quando se ama, não se consegue pensar assim. E agora vem a parte em que se percebe que estes conselhos de nada valem - porque quando se ama e se é amado, é fácil ser-se feliz. É uma sorte estar-se casado com a pessoa que se ama, mesmo que ela não nos ame.
Ouvir um casado feliz a falar dos segredos de um casamento feliz é como ouvir um bilionário a explicar como é que se deve tomar conta de uma frota de aviões particulares - quantos e quais se devem comprar e quais as garrafas que se deve ter no bar, para agradar aos convidados.
Dirijo-me então às únicas pessoas que poderão aproveitar os meus conselhos: homens apaixonados pelas mulheres com quem estão casados.
E às mulheres apaixonadas pelos homens com quem estão casadas? Não tenho nada a dizer. Até porque a minha mulher continua a ser um mistério para mim. É um mistério que adoro, mas constitui uma ignorância especulativa quase total.
Assim chego ao primeiro conselho: os homens são homens e as mulheres são mulheres. A mulher pode ser muito amiga, mas não é um gajo. O marido pode ser muito amigo, mas não é uma amiga.
Nos livros profissionais, dizem que a única grande diferença entre homens e mulheres é a maneira como "lidam com o conflito": os homens evitam mais do que as mulheres. Fogem. Recolhem-se, preferem ficar calados.
Por acaso é verdade. Os livros podem ser da treta mas os homens são mais fugidios.
Em vez de lutar contra isso, o marido deve ceder a essa cobardia e recolher-se sempre que a discussão der para o torto. Não pode ser é de repente. Tem de discutir (dizê-las e ouvi-las) um bocadinho antes de fugir.
Não pode é sair de casa ou ir ter com outra pessoa. Deve ficar sozinho, calado, a fumegar e a sofrer. Ele prende-se ali para não dizer coisas más.
As más coisas ditas não se podem desdizer. Ficam ditas. São inesquecíveis. Ou, pior ainda, de se repetirem tanto, banalizam-se. Perdem força e, com essa força, perde-se muito mais.
As zangas passam porque são substituídas pela saudade. No momento da zanga, a solidão protege-nos de nós mesmos e das nossas mulheres. Mas pouco - ou muito - depois, a saudade e a solidão tornam-se insuportáveis e zangamo-nos com a própria zanga. Dantes estávamos apenas magoados. Agora continuamos magoados mas também estamos um bocadinho arrependidos e esperamos que ela também esteja um bocadinho.
Nunca podemos esconder os nossos sentimentos mas podemos esconder-nos até poder mostrá-los com gentileza e mágoa que queira mimo e não proclamação.
Consiste este segredo em esperar que o nosso amor por ela nos puxe e nos conduza. A tempestade passa, fica o orgulho mas, mesmo com o orgulho, lá aparece a saudade e a vontade de estar com ela e, sobretudo, empurrador, o tamanho do amor que lhe temos comparado com as dimensões tacanhas daquela raivinha ou mágoa. Ou comparando o que ganhamos em permanecer ali sozinhos com o que perdemos por não estar com ela.
Mas não se pode condescender ou disfarçar. Para haver respeito, temos de nos fazer respeitar. Tem de ficar tudo dito, exprimido com o devido amuo de parte a parte, até se tornar na conversa abençoada acerca de quem é que gosta menos do outro.Há conflitos irresolúveis que chegam para ginasticar qualquer casal apaixonado sem ter de inventar outros. Assim como o primeiro dever do médico é não fazer mal ao doente, o primeiro cuidado de um casamento feliz é não inventar e acrescentar conflitos desnecessários.
No dia-a-dia, é preciso haver arenas designadas onde possamos marrar uns com os outros à vontade. No nosso caso, é a cozinha. Discutimos cada garfo, cada pitada de sal, cada lugar no frigorífico com desabrida selvajaria.
Carregamos a cozinha de significados substituídos - violentos mas saudáveis e, com um bocadinho de boa vontade, irreconhecíveis. Não sabemos o que representam as cores dos pratos nas discussões que desencadeiam. Alguma coisa má - competitiva, agressiva - há-de ser. Poderíamos saber, se nos déssemos ao trabalho, mas preferimos assim.
A cozinha está encarregada de representar os nossos conflitos profundos, permanentes e, se calhar, irresolúveis. Não interessa. Ela fornece-nos uma solução superficial e temporária - mas altamente satisfatória e renovável. Passando a porta da cozinha para irmos jantar, é como se o diabo tivesse ficado lá dentro.
Outro coliseu de carnificina autorizada, que mesmo os casais que não podem um com o outro têm prazer em frequentar, é o automóvel. Aí representamos, através da comodidade dos mapas e das estradas mesmo ali aos nossos pés, as nossas brigas primais acerca das nossas autonomias, direcções e autoridades para tomar decisões que nos afectam aos dois, blá blá blá.

Vendo bem, os casamentos felizes são muito mais dramáticos, violentos, divertidos e surpreendentes do que os infelizes. Nos casamentos infelizes é que pode haver, mantidas inteligentemente as distâncias, paz e sossego no lar.

A Clara precisa de amigos

Vão até aqui, onde podem saber mais sobre a mãe da Clara pede ajuda para arranjar amigos para a sua filha. Muito comovente.

E o dia começou bem...

Com o meu filho a acenar-me da porta de casa da avó e a dizer, pela primeira vez, "até logo"! Quando é que deixaste de ser bebé para te tornares um rapazinho que fala tudo, que compreende tudo, que a caminho de casa quando eu digo que vamos jantar me pedes pizza com todas as letras...

29 de novembro de 2011

Bolachas bimby

Alguém tem sugestões de bolachas para a Bimby? Queria levar a uns amigos umas bolachinhas feitas por mim e gostava de ter a vossa ajuda para não experimentar uma receita pela primeira vez. Obrigada! A noite das bolachas será amanhã.

Natal

Ando a mil à hora e sem tempo para preparar o Natal. Por esta altura, já costumo ter a árvore montada e os presentes quase todos comprados para evitar correrias de última hora, mas este ano está tudo muito atrasado por estas bandas. Devia ir trabalhar agora, para não ter tanto trabalho na 5ª e 6ª feira, mas estou é com vontade de ir enfeitar a casa e deixar o espírito de Natal invadir a minha casa.

Descubra as diferenças...

No início a Leopoldina era ingénua e cantava para as crianças...

Agora, como diria um amigo meu muito brincalhão, se lhe aparecesse uma avestruz destas à frente já podia equacionar em trocar a mulher. Devem pagar bem à leopoldina, pois ela fez plásticas, pôs maminhas... Isto é que é um antes e um depois!


Downton Abbey

Acabei de constatar que a terceira temporada da série que me está a deixar completamente apanhada, que tem dos melhores diálogos e enredos de sempre, personagens super bem construída, uma história muito diferente das séries que costumo ver, mas que é absolutamente maravilhosa, só estreia em Setembro de 2012!!! Só me falta ver o último episódio da segunda série e agora vou ter que esperar 9 meses! Nãoooooo! É muito tempo. Se tudo correr bem é o tempo que vou ter que esperar para ser mãe outra vez!

Apetecia-me...

...Ter ficado em casa com o meu filho. Mimá-lo, tratar dele, ajudá-lo a passar melhor este dia, dar-lhe os remédios e limpar-lhe os olhos. Ele também me abraçou, de manhã, quando lhe disse que ia trabalhar mas que depois ia ter com ele mais tarde. Disse que trabalho não. Claro que depois ficou bem em casa da avó, todo divertido, e bem disposto, mas sinto que era eu que devia estar com ele... Felizmente, tenho uma mãe disponível para ficar com o meu piolho, mas era eu que gostava de ficar. E hoje estava um dia mesmo bom para nos aninharmos um no outro...

28 de novembro de 2011

Até faz impressão

A carrada de medicamentos que o meu filho está a tomar. Tem uma faringe conjuntivite e é por isso que tem tantas ramelas a sair pelos olhos. Até faz impressão. Continua com uma tosse de cão e também tem pontos brancos na garganta. Desde antibiótico, gostas, pomadas, Actifed, aerosol com atrovent... Tenho uma lista no frigorífico para não me desorientar. O miúdo está  farto de tanto soro, limpeza de olhos e assoadelas. Coitado! Apanha tudo e mais alguma coisa lá na creche. O pediatra - onde ele já se sente em casa e a quem abraça - diz que ele tem que mudar de namorada, mas é preocupante a quantidade de antibióticos e cortisonas a que o meu filho tem sido sujeito. Amanhã lá vai mais uns dias para casa da avó e eu só espero que ele fique bom, pois tínhamos planos de ir até Madrid visitar uns amigos no próximo fim de semana que para o meu marido é prolongado. A ver vamos. As melhoras, filho lindo!

Vidas de filhote...

O meu filho agora imita tudo o que lhe digo. Quando se porta mal e eu digo Mau ele diz logo, espetando o dedo, mau, mau, mau, mau, mau é preciso um grande esforço para uma pessoa se controlar e não rir. Quando eu lhe digo que leva tau tau, ele dá uma palmadinha no rabo dele, ri, e diz tau tau, tau tau... Está muito cómico, o meu piolho!

Boa semana



Só espero que o meu filho melhore. Parecia conjuntivite na sexta - e assim achou uma médica amiga que o viu - mas já não me parece. Ele está super constipado, muito entupido e com muita tosse. Parece que hoje vamos visitar o pediatra. Ainda bem que o trabalho do meu marido nos dá (pelo menos, por enquanto) seguro de saúde.

Este blogue aconselha vivamente

A Herdade de cadouços. Fomos muito felizes lá neste fim de semana de festa. Depois ponhos aqui umas fotos, lindas lindas. O site não faz juz à beleza do sítio. Maravilhoso. A repetir.

26 de novembro de 2011

PARABÉNS, MEU AMOR

Parabéns, meu AMOR, homem que eu amo e que me faz feliz. A ti, tu sabes bem, desejo tudo de bom o que há no mundo. Que eu, o nosso filho (e os que hão-de vir), a tua mãe, irmãos, irmãs, sobrinhos, amigos (e todos os que gostam de ti ) possamos estar contigo, neste dia, e em todos os outros para te dar Parabéns e te encher de mimos! Que a vida te retribua tudo de bom que dás a todos os que têm a sorte de te ter na sua vida. És um Homem maravilhoso e eu sou MUITO mais feliz por fazeres parte da minha vida, por seres o meu marido, o companheiro de viagem e por seres o pai do nosso filho. Parabéns, maridão! Tenho tantas mais coisas para te dizer, mas essas serão ditas só a ti...

25 de novembro de 2011

o gato e o rato


Tenho o gato e o rato na minha equipa. Uma diz mata a outra diz esfola, uma diz que personagem X vai por um percurso a outra diz logo que não, uma diz que é melhor preto a outra diz que tem que ser branco, uma diz que a ideia é aquela a outra diz que não faz sentido! Socorro! Já não aguento mais. Isto de gerir pessoas, ainda por cima envolvidas em trabalho criativo, é de loucos! Não há o certo ou o errado, há caminhos que temos que escolher e, acima de tudo, é um trabalho de equipa pois estamos todos a escrever uma mesma história, mas como duas pessoas assim é tão mais difícil. Este nosso trabalho requer sintonia, envolve sempre grandes discussões criativas, mas é um trabalho de equipa e com dois elementos assim (gajas, claro) não está a ser fácil.

Sexta Feira!

Depois do dia louco de trabalho que tive ontem e que se prolongou até de madrugada ainda bem que hoje é Sexta Feira!

Já encomendei...

Duas lindas destas agendas. Uma para mim e outra para a minha mãe.



Adoro agendas, em papel, e esta vai fazer as minhas delícias. Foi só escolher umas fotografias lindas e esperar que fique pronta. Mais coisas giras, aqui.

24 de novembro de 2011

Loucura

Reparei agora que estava a tremer... Achei estranho, mas lembrei-me que não tinha almoçado. O dia, ao contrário da calmaria que era suposto, foi a loucura, pois a minha equipa não pode escrever o guião que era suposto, pois houve um erro na premissa do mesmo e não estava correcto para ser escrito. Foi preciso gerir tudo via email... Ai! Que loucura. Tive que parar a equipa e dar-lhes folga hoje, mas vão ter que compensar mais tarde... Os nossos prazos não nos permitem estar um dia parados. E agora vou ali comer qualquer coisinha antes que desmaie...

Por aqui, em dia de greve...

Como não tenho metro para ir trabalhar e a nossa empresa é verde, ou seja, vamos todos trabalhar utilizando transportes públicos, uma vez que estamos no coração do Chiado onde o acesso de carro é só para os mais ousados (e ricos!), quando não há transportes ficamos a trabalhar em casa. Por isso, hoje consigo gerir bem o meu dia e trabalhar, tratar da casa (estender roupa, cozinhar) e ainda consegui marcar para ir à depilação. Estou muito habituada a trabalhar em casa, por isso consigo organizar muito bem o meu dia para render mais do que parece possível.

Bom dia

23 de novembro de 2011

Dia positivo!

Um dia em cheio, cheio de coisas boas. 

Fui dar sangue para me oferecer como dadora de medula óssea, coisa que andava a adiar feita parva porque não arranjava uma hora para ir tratar disso;

Fui fazer uma ecografia e tive a confirmação que já não tenho sequelas do aborto que sofri em Agosto e que podemos voltar a engravidar... Yeeeeeeesssss!!!!

Fui buscar o meu filho à creche, fomos lanchar aos bisavós e depois invadimos o trabalho do maridão. Não sei qual dos meus homens estava mais feliz. Se o filho a dizer shiu, pois ia entrar de surpresa no gabinete do pai se o pai ao ver o filho correr para ele! 

O fim da noite foi reservado a dois, a ver mais um episódio da série que estou a adorar e que se chama Downton Abbey! Recomendo vivamente. É do melhor que tenho visto. Está a repetir a primeira série no Fox Life.

Até amanhã...

Bom dia

A manhã foi perfeita! Boa dispoisção e a família reunida à mesa a tomar o pequeno-almoço iluminada por um lindo sol de inverno.