27 de junho de 2014

Troca de Verão


Deixei que a Jardim de Algodão Doce partilhasse a fotografia em primeira mão, mas aqui fica a imagem do colar lindo que recebi da Maggie.

Adorei! Já o usei e está mesmo a chamar o verão, que teima em chegar. E ontem, quando o punha ao pescoço, viajei até aos Verões da minha infância, em Sesimbra, onde havia sempre umas barracas na marginal, junto à praia, onde se vendiam colares, pulseiras, espanta espíritos e uma imensa variedade de coisas todas feitas de conchas e de búzios, e havia sempre um barulho de mar, provocado pelo vento a tilintar nas mercadorias expostas. E eu adorava ver aquelas barraquinhas, sempre iguais de ano para ano, e lembro-me da minha mãe ter vários acessórios, parecidos com o meu colar novo. Gostei mesmo muito do colar.

Foi a segunda Troca em que participei e gostei, mais uma vez, muito da experiência. O blog da Maggie já conhecia e sigo, há muito tempo. Tive foi oportunidade de conhecer Os segredos da arca, a quem enviei uns brincos. Nunca me lembraria de comprar algo em preto para o verão, mas o desafio foi esse e parece que correu bem.

Começar bem o dia...

... A dizer adeus ao filho mais velho enquanto me despedia dele, que seguia para mais uma manhã de praia com os amigos da escola. Estava frio, mas eles iam todos entusiasmados e hoje com a promessa de que iam ter direito a uma bola de berlim! Para chamar o bom tempo ensinei-lhe uma canção, que eu cantava quando era pequena e ia de passeio com a escola: Nossa Senhora da Conceição, faça sol e chuva não! Nossa Senhora da Conceição, faça sol e chuva não!

26 de junho de 2014

Bom dia!

Vamos deixá-los brincar!

Manhã Zen...

Apesar de ontem ter tido, mais uma vez, dificuldades em adormecer (acho que vou ao Pediatra falar com ele) hoje a manhã foi tranquila. sem gritos, sem zangas. Deixou-se vestir com calma, o que escolhemos ontem, e até pusemos creme protector! Tomou o pequeno almoço e lá saiu com o pai. Chegaram mesmo em cima da hora, antes da camioneta arancar. Mas aí a culpa foi nossa, que ainda nos estamos a habituar a este novo horário da ida para a praia.

25 de junho de 2014

Manhã demoníaca

Contei ontem aqui que agora o meu filho mais velho adormece muito tarde. Conto agora que a nossa manhã foi tão má, com tanto choro e birras descontroladas, que a porteira, que mora no andar de baixo, achou que tinha havido um acidente grave cá em casa e que íamos sair disparados a qualquer momento numa ambulância. Ele estava insuportável e cheio de sono e eu estava cheia de sono e sem paciência depois de ter estado a trabalhar madrugada adentro. Ele recusou toda a roupa que tínhamos escolhido e preparado juntos de véspera. Não queria fato de banho, não queria as crocs, eu vestia-o enquanto ele gritava, descontrolado, e dois segundos depois, despia-se. Lá em baixo deviam imaginar que nos estávamos a matar uns aos outros. E em segundo plano, o Afonso gritava porque (está há 2 dias com uma conjuntivite) não queria pôr gotas nos olhos! (E agora , às 23h05h, vou ali porque estou a ouvir movimentações, o que quer dizer que ainda não adormeceu. Desejem-me sorte para a próxima manhã)

Parece que finalmente adormeceu...

... Mais de 2 horas depois de o ter deitado. Não sei o que se passa com o meu filho grande, mas anda com muita dificuldade em dormir. Está horas para adormecer. E não tem sono, de facto. Há aquelas alturas em que eles se levantam de segundo a segundo aos pinotes e que sabemos que estão cheio de sono, mas a lutar contra ele. Ultimamente não é isso. Deito-o. Parece que ele já está a dormir, mas aparece passado 20 ou 30 minutos a dizer que não tem sono. E estamos horas nisto. Eu tento não me enervar, sei que é horrível estar na cama sem vontade de dormir (se bem que é coisa que não me acontece há muitos anos, em que sonho sempre com uma cama e uma boa soneca), mas ao fim de algum tempo, vou vendo as horas a passar, começo a perceber que ele não vai dormir nada, que vai acordar cansado e birrento e começo também eu a ficar mais enervada. Até porque quando os deito é quando posso acabar o trabalho que ficou por fazer no escritório, para poder sair para os ir buscar à creche. E ao fim de 20 vezes em que ele se levanta e em que já estamos mais perto das onze que das 9 e meia já não estou tão paciente como há 2 horas e ele acusa-me, com um ar infeliz, de não gostar dele. E aí o meu coração parte. Levo-o (novamente) para a cama com beijos e explico que é por gostar tanto, mas tanto dele, que sei que ele tem de dormir para recarregar baterias e ter muitas e boas energias para o dia seguinte. E enquanto andamos nisto, o besnico acorda, e chora pelo biberão da meia noite, com uma hora de antecedência. Percebem que estão os dois acordados e é uma festa! Leite para um, mimo para o outro e lá os consigo meter na cama... E quando dou por isto é meia noite, o meu trabalho continua atrasado e o meu corpo pede cama... É que dentro de poucas horas o despertador toca e eu deito-me sempre a pensar que amanhã é que me vou deitar cedo e tentar recuperar algumas horas de sono...

23 de junho de 2014

Eu tenho dois amores!

São tão diferentes os meus filhos. Percebe-se bem que são irmãos e quando as pessoas os conhecem dizem logo: são iguais. Mas não são. O meu amor grande tem o tom de pele claro e o mais novo é morenaço. O pequenote está bem rechonchudo e é só preguinhas e refegos (apesar de não estar gordo na óptica dos percentis) e o mais velho é magro, magro. Um come tudo, tudo e o outro é um pisco, que come pouco e que se pudesse só petiscava. Um bate palmas quando vê a sopa e o outro bate palamas quando não há sopa! O mais velho tem dentes afiados como o drácula, o mais novo tem 7 favolas grandes. Um tem um pés fininhos e grandes o outro tem os pés sapudos. Mas são os dois super meigos e asneirentos, cada um adequado à idade, adoram música e dançar. Nasceram os dois numa família grande e isso reflete-se na personalidade deles. São sociáveis e gostam de festas e de confusão! Mas enquanto o mais velho quer é brincadeira, o mais novo procura o colo que estiver mais perto da mesa das comidas. O mais velho detesta chocolate, já o mais novo (ao colo de alguma tia ou de alguma prima) despacha uma fatia de bolo sem que eu me aperceba! Têm um fascínio por tudo o que é tecnologia e são o amor um do outro! E  o meu!!!


 

Uma sugestão para as mães de um, que pensam em ter mais filhos #1

Vou dar uma sugestão que gostava que me tivessem dado. Não mandem bordar o nome do vosso filho no bibe da escola. Comprem etiquetas com os nomes bordados (a Letras Bordadas tem giras e baratas) e depois vocês cozem na bata no inicio do ano e descosem em Julho para ir coser noutro bibe. No ano passado já fiz isto, mas tenho os bibes do primeiro ano da creche, muito bem bordados ou não fosse o primeiro filho, com nome e apelido, e agora ou o mais novo vai com o nome do irmão, que não dá, ou vou ter de encomendar uma mega etiqueta para lá coser! Claro que fica sempre mais bonito o nome bordadinho em ponto de cruz, mas depois é uma chatice!

A primeira ida para a praia com a escola

Amanhã ( que para mim o dia só muda depois de me deitar, dormir e levantar) é o primeiro dia de praia do mais velho com a escola. Está super entusiasmado e eu não lhe disse que a previsão é de chuva. Temos de lá estar às 8h15, uma hora mais cedo que habitualmente chegamos. Vai ser um desafio diário. As nossas manhãs já são suficientemente loucas sem um autocarro para apanhar, mas daremos o nosso melhor. É que o autocarro não espera por ninguém, acho muito bem, mas se eles perderem o autocarro só podem voltar à escola ao meio dia, hora em que os outros meninos e as educadoras regressam. Não compreendi bem esta parte e vou ter de esclarecer com a educadora e com a direcção, se necessário, porque eu achava que se ele perdesse a camioneta ficava na escola. Seria o normal, não é? Só espero que o sol dê ares da sua graça e que eu consiga saltar da cama para despachar toda a gente a tempo e horas. E agora já devia estar a dormir, mas estou a dar apoio ao meu marido que está a ver a nossa selecção perder com os Estados Unidos.

20 de junho de 2014

O verão começa hoje!




Verão além de sinónimo de calor é sinónimo de férias. Na rádio, na televisão, revistas, jornais, outdoors, esplanadas, cafés e blogues este é o tema central: as férias de verão! As famosas férias grandes da nossa infância. Os miúdos sonham com elas e os graúdos também. E eu este ano não consigo tirar férias no verão (Ainda houve a possibilidade de tirar uma semana de férias, mas a minha equipa já tinha as semanas marcadas e não foi possível conciliar. Valeu a boa vontade da coordenadora e dos meus colegas, que ainda tentaram reorganizar os seus dias de férias). Custa-me ver toda a gente a fazer planos e eu ter de ficar e não poder curtir os meus filhos no ritmo alegre das férias. Custa-me pensar que vou perder um momento tão bom como as férias de verão com o meu marido e os meus filhos. Aqueles dias de praia, os fins de tarde, o relaxamento de horários, os passeios depois do jantar para ir ao Carrossel, comer gelados e jogar matraquilhos. O cheiro da água do mar no corpo e nos cabelos deles. Os mergulhos com os meus filhos. Os primeiros passos do baby na areia… O banho depois da praia. O creme no corpo. Só de escrever e de imaginar já me dá vontade de chorar. Eles vão por 3 semanas. Já arranjei uma empregada para ir dar apoio. Gostava tanto, mas tanto de ir. Vou gerir essas três semanas para estar cá e lá, levando o meu trabalho comigo. A ideia é fazer fins de semanas prolongados (com o computador debaixo do braço) para não estarmos tantos dias afastados. O baby Afonso ainda está muito ligado a mim. Sofreu com a minha ausência de 3 dias (quando me ausentei por trabalho no mês passado) e quando eu não estou em casa ao fim do dia aponta para a porta a dizer mamã. Havemos de nos organizar o melhor que conseguirmos para a distância não custar tanto e para sentirmos que eu também fiz parte destas férias de verão!

Festa da escola!

E hoje à tarde é a festa da escola dos meus besnicos. E como eu adoro estas festinhas. Como eu me emociono. Então quando eles entram em palco... Pareço tonta, eu sei, mas eu acho mesmo que estes momentos são especiais e vivo-os com muita emoção. Vibro com a alegria do mais velho, que anda a dias a contar os minutos para o grande momento. Canta o "cheira bem cheira a Lisboa" de forma correcta e no tom. O mais pequenino abre as marchas com os seus coleguinhas do berçário. As grinaldas  e as sardinhas foram decoradas por mim e pelos meus filhos e já cheira a Santos Populares!

19 de junho de 2014

O novo heterónimo de Fernando Pessoa

Ontem, a propósito do meu novo projecto profissional, apresentei Fernando Pessoa ao meu filho mais velho. Falei-lhe dos poemas e prometi que um dia destes lhe mostrava alguns livros deste poeta Português, depois dele me ter perguntado se é assim tão importante há livros dele em todas as casas?.  Expliquei que infelizmente não haveria em todas, mas que nós tínhamos alguns e que depois eu lhe lia alguns poemas. E foi esta a nossa conversa e mimo de boa noite.

Hoje, ao jantar, estava-lhe a pedir para contar ao pai o que lhe tinha ensinado ontem sobre o poeta Fernando Pe...  calei-me para ele concluir a palavra, ele lembra-se do que estamos a jantar e diz: Fernando Peru!!! Foi a risota total, e assim nasceu mais um heterónimo de Pessoa. Ao deitá-lo, voltei ao mesmo assunto. Então de que poeta falámos hoje? Ele olha e pergunta a medo, era Fernando Galinha, não era?? Nova risota. Não, filho. Era Fernando Pe... Peru, claro! Fernando Peru!!! 

E eu sempre que ouvir ou me lembrar de Fernando Pessoa, lembrarei sempre com imenso carinho e um sorriso nos lábios, este novo heterónimo criado pelo meu amor mais velho!!

Eui gosto de contos de fadas!


E eles parecem felizes. Espero que o sejam.

"Empresas obrigam mulheres a garantir que não vão engravidar durante cinco anos"

Li este artigo do Público sobre a maternidade e a paternidade em Portugal. Soa-me tudo a conversa fiada. Os números da natalidade são desastrosos e as estatísticas apontam para uma diminuição dos nascimentos nos próximos anos. A mim, dispensaram-me quando entrei de baixa por gravidez de alto risco, depois de no espaço de um ano ter sofrido dois abortos. Muitos nervos e a incerteza (desemprego) do futuro. E o medo que está situação de nervos e ansiedade me provocasse um novo aborto. Decidi que não me podia enervar. A prioridade era aquele bebé que crescia dentro de mim. Ia descansar e fazer tudo para que ele não fosse afectado por aquela maldade que me estavam a fazer. Depois, resolvi não ficar calada. Processei a empresa. Ganhei. Fi-lo por mim, mas por todas as mulheres que são vítimas de descriminação. Que são afastadas porque são mães, porque têm uma gravidez de alto risco ou porque precisam de ir com os filhos ao médico. Esta não foi uma decisão fácil. Pensei em não me chatear, até para não passar stress para aquele bebé tão desejado que crescia dentro de mim, Tive a sorte de ter um amigo advogado que tratou do processo todo e me representou de forma muito digna, avisando-me logo que ele é que trataria de tudo. É preciso que quem descrimina se sinta mal com isso, se sinta envergonhado e seja obrigado a pedir desculpas e a reconhecer que errou. Eu estava de repouso, gerindo a gravidez de alto risco com um filho de 2 anos e meio que precisava de colo, de mimo, de muita mãe. A baixa por alto risco acabou, o meu bebé estava em segurança, chegou o subsidio de desemprego e todo o tempo do mundo para ser mãe do meu filho mais velho, mulher, dona de casa e preparar a chegada do bebé. O processo ia decorrendo entre os advogados. E eu tinha tempo para mim e para os meus, como nunca tinha tido. Apresentava-me grávida no centro de emprego. Pensava sobre o futuro incerto, mas tinha a sorte de ter um marido empregado e uma situação financeira que nos permitia não ter medo e aproveitar o tempo para preparar a chegada do Baby com toda a calma. Nunca o filho mais velho tinha tido tanta mãe.  Era dos primeiros a sair da escola e eu era uma mãe com tempo, paciência e disponibilidade. Foi uma fase boa, provocada por uma situação muito má e muito injusta. Eu tinha estado sempre lá para a empresa. Só parei 3 meses quando nasceu o meu filho mais velho e trabalhei sempre vestindo a camisola. Qual foi a paga: a tua gravidez e uma baixa de algo rico não dão jeito!! 

O meu mais velho!

Está a crescer. Cada vez mais rapaz e menos infantil. A nova loucura televisiva chama-se H20. Dá no Disney Channel e já nem bonecos são, mas aquelas séries para pré adolescentes. Ontem vi um bocadinho do que ele chama "as sereias" e era uma aventura que levava os miúdos a uma ilha, onde está uma gruta com poderes mágicos. Ele adora e tem "sereias lindas", como ele diz! Eu digo que ele está a crescer muito depressa!!


18 de junho de 2014

A mãe e as fadas!

Mãe: Vou falar com a fala da almofada, que é a fada que dá presentes aos meninos que dormem a noite toda na cama deles! Esta fada é amiga da fada da chucha e da fada dos dentes.
Filho: Estás a mentir, mãe! Tu não consegues falar com as fadas! Estás a mentir, não estás?

E foi aí que disse que não, que a mãe não estava a mentir. A mãe falava com as fadas, mas não sabia se elas ouviam. Mas que eu falava com elas para ele deixar a chucha e dormir na cama dele, falava! Mas em género de monólogo, que é como quem diz: a mãe fala mas as fadas não respondem!

O meu filho não ficou convencido. Ele acredita que as fadas existem. A fada da chucha já lhe deixou um livro debaixo da almofada. O que ele não acredita é que eu consigo falar com eles!

Um acordar diferente*



Como já vos contei de há uns meses para cá o filhote mais velho vai sempre para a nossa cama a meio da noite. Não gosto do princípio, mas já assumi que é uma fase e que em breve passará. Até porque a maioria das vezes só me apercebo quando fico sem almofada, entalada no meio da cama, ou quando levo um pontapé e estou demasiado ensonada para reagir. Tentei algumas vezes levá-lo de volta para a cama, mas passado minutos ou horas (sei lá) já lá está outra vez. Habituámo-nos a tê-lo ali, sabendo que é uma fase passageira. Hoje, ao acordar, procurei-o na cama e ele não estava lá. Foi estranho. Claro que dormimos muito melhor sem os atropelos e os empurrões do filhote e espero que seja um sinal que a fase da cama dos pais acabou. Mas ainda assim estranhei ele não ter ido lá ter e fui ao quarto dos meus filhotes ver se estava tudo bem. É que eram 8 e meia da manhã e estava tudo a dormir ferrado. E eu a contar com o besnico para acordar. Claro que nos atrasámos. Mas dormimos todos uma boa noite de sono!

*esperando que o meu filho mais velho, passe a voltar a dormir sempre na cama dele!