27 de novembro de 2014

Compras de Natal - Feito!!!

E hoje comprei todos os presentes de Natal para os filhotes e para os sobrinhos. Foi uma maratona, mas já sabia mais ou menos o que queria para cada um e quanto queria gastar. Ainda aproveitei uma promoção do Continente - em três brinquedos ofereciam o de menos valor - e foi óptimo. Tenho de organizar tudo porque na terça feira sou operada e vou estar umas boas semanas de molho. E não queria deixar nada por comprar. E já está. Que alívio. Não quero deixar nada pendurado. A ver se amanhã faço os embrulhos. Estamos a preparar tudo para um Natal diferente. Vou estar de repouso (quase) absoluto e a minha mãe vai passar o Natal com a minha irmã, que teve uma oportunidade de trabalho na área dela, mas fora do país. E como começou este mês não vem a casa no Natal e, por isso, vai lá a minha mãe. Aqui, (pelo menos, são estes os nossos planos) vamos fazer a Consoada os quatro, vai ser bom - andamos sempre numa correria tão grande no Natal, que acho que vai ser agradável um Natal mais tranquilo, aqui em casa, com a lareira, o meu marido, os meus filhotes e uma cunhada que na véspera está sem o filho que vai para o pai. Depois, no dia 25, os meus filhos vão com o pai para a confusão total em casa de uns cunhados meus com muitos primos, tios, tias e festa! Eu só peço que a minha operação corra bem para que estes planos possam ser cumpridos. E para que possa celebrar este e muitos, muitos mais Natais com os meus filhos, o meu marido e a família que amo. E quando a minha chegar, celebramos novamente. Estes são os nossos planos, as nossas intenções. Vamos ver. Para já, força para terça feira. 

É tudo diferente quando os pais não estão!

Estivemos 5 dias fora e os meus filhos ficaram com a minha mãe. Claro que ia com o coração apertadinho e com receios, mas acreditava que ia tudo correr bem. E correu. E, de facto, as crianças quando não estão connosco portam-se muito melhor. Faz parte. É assim. Nunca houve nenhum drama para comer, deitaram-se sempre a horas e sem birras. Chegaram a horas à escola e estiveram bem, com os mimos extra da avó, das tias e primos, e das educadoras. Sou muito galinha e ir de férias sem eles foi uma decisão que não me foi fácil tomar. Mas precisávamos. E foi bom. Para nós e para eles. Eles tiveram num registo diferente (apesar de manterem as rotinas e ter sido a minha mãe a mudar-se cá para casa e não o contrário) e é importante para o crescimento e desenvolvimento deles. Claro que  o mimo do pais é único, mas o reencontro foi magnífico. E a noite de ontem de excitação total. Ao deitar o mais velho, diz-me ele: 
- Oh, mãe. Porque é que nós nunca rezamos?
Expliquei que não tínhamos esse hábito.
- Eu rezei sempre com a avó. Podemos rezar?
Disse que sim, claro.
Ele benzeu-se (Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, Amén) e rezou, pedindo por nós, pelo mano, pelas avós, pelos primos e tios... 

E depois, ainda disse: e o saco de água quente?
Expliquei que eu não usávamos. 
- Oh, mãe, mas é tão bom! A avó punha todas as noites na nossa cama!

E é assim, quando estamos fora permitimos que eles tenham outras experiências e outras vivências. E isso é muito bom.

De regresso!

A viagem foi maravilhosa, mas nunca me tinha sabido tão bem aterrar em Lisboa e apanhar um táxi para casa. Foi uma alegria abraçar os meus filhos. Estiveram lindamente - felizes e contentes, sem dramas nem birras para comer e dormir, sem atrasos matinais - mas no último dia as saudades começaram a apertar. As deles e as nossas. E foi com alegria que chegámos a casa e nos juntámos aos filhotes, à minha mãe (que ficou com os meus filhos e os amou e mimou como só as avós sabem) e a todos os irmãos, irmãs, cunhadas, sobrinhos e compadres que estavam à nossa espera para cantar os parabéns ao maridão. A minha mãe e as minhas cunhadas trataram de tudo e prepararam um óptimo jantar. Foi um regresso maravilhoso. E vínhamos felizes e com as baterias carregadas. Passeámos imenso, vivemos sem horários nem rotinas, caminhámos horas a fios, perdemo-nos pelos bairros, desfrutamos de belos capuccinos sentados em esplanadas magníficas, deliciámo-nos com alcachofras e todas aquelas comidas maravilhosas, deixámo-nos encantar com a maravilhosa cidade de Roma, que é simplesmente incrível. Dormimos cedo, quando nos apeteceu, deitámo-nos tarde quando a noite pedia um copo. Foi muito bom. Diria mesmo que foi perfeito, com um tempo magnifico, cheio de sol e com temperaturas acima dos 22 graus. 

24 de novembro de 2014

Ao terceiro dia de viagem...

As saudades dos meus filhos apertam! E apertam com força. A viagem está a ser muito boa, mas também vai saber muito bem regressar a casa. Mas ainda há muito para ver e descobrir. São as últimas horas dos 39 anos do Maridão, que este ano recebeu este presente especial! 

23 de novembro de 2014

Rica vida!



Passear, passear, comer, namorar! Só coisas boas. Desde que tínhamos sido pais -faz em Janeiro 5 anos - que nunca tínhamos estado tão disponíveis um para o outro e está a saber muito bem. Ainda sabemos estar sozinhos e continuamos a adorar as mesmas coisas e a ser óptimos companheiro de viagem. Estamos felizes. Cheios de saudades dos pimpolhos, mas felizes também porque eles estão muito bem. Acabámos de falar via Skype com o mais velho, que o Baby já dormia, mas estão bem, a comer bem e a dormir bem e passaram um óptimo fim de semana!  O pequenino estava sempre a ir ao computador à nossa procura, mas sempre bem disposto. Vemos vários casais com bebés, mas esta é uma viagem melhor para fazer a dois principalmente porque se anda o dia todo a pé. Agora é hora de carregar baterias. Ontem foram 10 horas de sono. Venham mais 10. Até amanhã!!

22 de novembro de 2014

Um olá, aqui de Roma!

A viagem foi óptima e aproveitámos muito bem o dia. A casa do nosso amigo é a poucos minutos a pé do Coliseu e hoje já vimos grande parte da zona histórica! É avassaladora! Emocionei-me quando vi o Coliseu. É brutal. O tempo está de verão. Um sol radioso e 25 graus. Já estou mais tranquila em relação aos meus filhos e foi maravilhoso falar com eles agora no Skype. Tão lindos, tão queridos!! Agora vou ali dormir 12 horas se faz favor, que ontem dormimos 3 horas, dormitámos no avião e andámos uns 20km a pé. Nem me sinto! Baci!!!

Aqui vamos nós!! Próxima paragem: Roma!

E o que faz está mãe quando no aeroporto vê um casal com os filhos pequenos? Chora... Chora cheia de saudades e com pena de os ter deixado, apesar de saber que eles ficam bem e que está viagem é muito importante para mim e para o meu marido. 

21 de novembro de 2014

Amor da mãe

Em véspera, da nossa partida para Romã. Frases do  meu filho mais velho no dia de hoje, com muita emoção, muito carinho, beijos e abraços!
- mãe, não desapareças!
- mãe, amo-te!
- mãe, adoro-te!
- boa viagem, mãe! Diverte-te, amo-te muito!
- eu tomo conta do mano e dou-lhe muitos mimos. E nem falo de ti para ele não ter mais saudades!
-  não sei se é boa ideia o mano falar contigo no Skype, pode achar estranho... Mas falamos nós depois do mano se deitar.

E o coração desta mãe fica ainda mais cheio de amor e muito apertadinho por deixar os filhotes. Mas ficam bem entregues e com imensos programas com os primos para terem um fim de semana bem divertido. E as educadoras já sabem que nós vamos estar fora uns dias para reforçarem o mimo!

E tenho toda uma mala para fazer! Dou notícias de Roma!!!

Em contagem decrescente para ir viajar...

... E um nervoso miudinho, mas muito nervoso, por deixar cá os meus filhos. E se nos acontece alguma coisa aos dois?? Foi com este pensamento que tentei adormecer ontem, escusado será dizer que demorei um bocado a conciliar o sono. É a primeira vez que vou viajar sem os meus filhos e custa-me um bocadinho. Acho que nos vai fazer lindamente enquanto casal, mas custa-me deixá-los. Tenho imensos medos. Desde que fui mãe que tenho medos e receios... Os meus dois corações ficam a bater cá em Lisboa. Os meus dois amores pequeninos... E se por um lado estou desejosa de me meter no avião e aproveitar cada minuto da cidade de Roma e do meu marido, por outro, penso no regresso e no momento em que nos voltaremos a abraçar.

20 de novembro de 2014

Há blogs que vale mesmo a pena conhecer.



Este é um deles: "eu, ele, a maria e o miguel".  Adoro a escrita. Adoro as fotografias e, acima de tudo, adoro a forma como esta mãe e estes filhos vivem o dia-a-dia. Como a casa se transforma em escola. Como os dias são passados a um ritmo próprio. Como as comidinhas são colocadas de forma divertida nuns pratinhos com divisórias. Como os manos se abraçam. Como dormem tranquilos. Como são fotografados em lojas de doces sem haver acidentes. Como vão para a rua de pijama (sem ser no dia do pijama) sempre que querem. Como esta mãe tem ideias maravilhosas e faz coisas fantásticas com os filhos. Como eles se entretêm a brincar. É um gosto visitá-los no seu blog e confesso que me sinto um pouco incompetente como mãe. E a culpa não é só do trabalho (se bem que o cansaço não ajuda) que estive em casa um ano quando o Afonso nasceu e eu não era esta “mãe mágica” que transforma tudo numa agradável festa diária, em que parece que tudo funciona numa enorme harmonia. Há mulheres que nasceram mesmo para ser mães, e esta mãe (atrevo-me a dizer isto sem a conhecer) é uma delas.

Jantares de Natal

Começa a loucura com os jantares de Natal. Este ano, como vou ser operada e estar ausente todo o mês das festas, antecipámos dois jantares. Um com as mães dos coleguinhas do meu filho mais velho e outro com a minha equipa de trabalho. Um foi no The Decadente e o outro foi no À Parte. Adorei os dois restaurantes tanto em termos de espaço como de comida e ambiente. E porque é que os estou a sugerir? (Não me pagam nada por isso e paguei os meus jantares) Porque são ideiais para jantares de pequenos grupos porque ambos oferecem a possibilidade de jantarmos numa sala privada. Boas Festas!!!!

Manual de instruções dos meus filhos!

Eu e o maridão vamos 5 dias para Roma e a minha fica a tomar conta dos nossos filhos. Apesar da avó estar mais do que habituada a ficar com os netos, é a primeira vez que fica sozinha tantos dias com eles. Por isso, vou fazer um manual de instruções e um guia de contactos úteis. Neste manual de instruções vou fazer uma espécie de calendário para cada filho para cada dia da semana, de modo a que a avó não se esqueça do saco da natação do mais velho no dia certo, do fato de treino para a ginástica, de dar o singulair em pó ao Afonso depois do jantar e outros pormenores que fazem parte das nossas rotinas do dia a dia.

19 de novembro de 2014

E é assim que um filho nos deixa sem palavras.



(Mães e pais colaboram com as actividades da sala, partilhando os seus trabalhos e a suas profissões com as crianças. Lá ou nos locais de trabalho, dependendo das circunstâncias. Estas actividades começaram no ano passado, depois deles terem ido ao Tivoli ver a peça de teatro “Quando for grande… quero ser”
Filho: A mãe do F. foi lá à escola fazer papel reciclado connosco.
Mãe: E a mãe vai um dia destes contar o Conto de Natal que escrevi para a vossa sala.
Filho: E mais?
Mãe: Mais o quê?
Filho: É só isso?
Mãe: É o trabalho da mãe, escrever histórias.
Filho: E não sabes fazer mais nada? Só isso?!
Silêncio da mãe (...)
Mãe: Queres que eu vá lá para fazermos salame na Bimby?
Filho: Boa!!!!

18 de novembro de 2014

Diálogo maravilhoso

Eu: A mãe tem 36 anos e o pai 40. Eu tenho menos 4 anos que o pai. 
Filho: Nunca o vais apanhar, pois não?
Eu: Não! Vou ter de andar sempre a correr atrás do pai:-)
Filho: Até serem como a bivó, velhinhos e queridos, e cheios de netinhos, não é?
Eu: (emocionada) É o que eu mais quero. Muita saúde para eu e o pai ficarmos velhinhos e podermos acompanhar-te a ti e ao mano e aos vossos filhotes, todos em paz e amor. Sempre amigos para não estarmos nunca sozinhos. 

E é mesmo o que eu desejo. Corremos e endoidecemos com coisas várias mas que, quando vamos a ver, não têm importância nenhuma. E eu tenho uma cirurgia muito complicada marcada para daqui a duas semanas e tenho medo. Tenho medo que corra mal. Tenho medo que a "profecia" do meu mais velho não se cumpra, mas vamos acreditar que sim! Que a vida vai ser generosa comigo. Que vou poder envelhecer ao lado do meu homem - que tanto apanha com os stresses e maus feitios desta vida a mil em que ando - rodeada dos meus filhos, amigos, sobrinhos e família que amo.

Uma viagem explicada ao meu filho mais velho

Amanhã vem cá jantar o meu amigo que mora em Roma para nos dar a chave de casa dele (mesmo no centro, a poucos minutos a pé de tudo!!! Um luxo) porque nós vamos sábado, mas ele só chega no domingo. Hoje, depois do mimo extra da natação, já com o mano no carro a caminho de casa achei que era uma boa altura para contar ao mais velho que íamos viajar sem ele. Disse-lhe que amanhã vinha cá jantar a casa o tio D. e que depois a mãe e o pai iam viajar com ele para Roma, onde ele agora mora, mas que íamos só os dois, que era uma viagem só para crescidos. (Quando este mesmo amigo morava em Madrid fomos lá duas vezes e o filhote - único na altura - foi connosco). São só uns dias. Só?? Dias? Quantos? Eu disse que eram poucos e que iam passar depressa. Ele perguntou logo: E quem é que fica connosco? Expliquei que ficava a avó e que no fim de semana ia combinar para ele estar com os primos (e dar um pouco de descanso à avó). Ainda disse que não queria, mas depois eu disse-lhe que ele ia poder dormir todas as noites na nossa cama. Com quem? Perguntou ele? E eu disse com a avó. E mais quem? E eu disse, bem, filho acho que mais ninguém... E saímos do carro para a chuva torrencial (e eu hoje não levei chapéu) e ele não falou mais sobre o assunto. A primeira abordagem está feita. E vou ter milhões de saudades eu sei...

O melhor do meu dia

Escapar-me do trabalho cedo (para compensar as horas loucas que trabalhei a semana passada e que ultrapassaram as 70h) e ir ver o meu filho mais velho à natação. Sentir a alegria dele quando me viu chegar e vê-lo a dominar cada vez melhor as técnicas da natação. Já faz a piscina toda debaixo de água e já nada de costas. E no final da aula, muita paródia e mergulhos. Uma festa. E devido à sua desenvoltura na água está com os meninos da sala do último ano do jardim de infância - o ano à frente do seu - e isso dá-lhe muito orgulho. Mas ele adora é quando no final, na parte da brincadeira se junta aos amigos da sala. Uma festa. É tão bom ser criança!!!

17 de novembro de 2014

Em contagem decrescente!


Sábado lá vamos. 5 dias de férias para namorar e recarregar baterias para os tempos (dificéis da minha operção) que se aproximam. E se por um lado me apetece imenso agarrar no maridão e ir viajar, por outro custa-me imenso deixar os meus filhos. Sei que vão ficar bem, com a minha mãe, mas custa-me pensar que se vão sentir abandonados. Só na sexta é que vou falar com o meu filho mais velho e explicar-lhe que vamos viajar e sei que ele vai ficar com um enorme desgosto. Andamos sempre em família e adoramos viajar com eles, mas desta vez eu senti que eu e o meu marido estávamos mesmo a precisar de nos focar um no outro enquanto casal. E estamos mesmo. Sei que vai custar partir, mas que depois vai saber bem andar sem horários e condicionantes, dormir até querer, deitar tarde, jantar sem interrupções, namorar... Nunca viajámos só os dois depois de termos sido pais pela primeira vez, faz 5 anos em Janeiro, por isso, acho que está na hora... Acho que temos de nos redescobrir como apaixonados, e acho que Roma é a cidade ideal!

16 de novembro de 2014

Ementa Semanal

Segunda-feira
Almôndegas com esparguete

Terça-feira
Bifes de perú com batatas gratinadas e esparregado

Quarta-feira
Lasanha com carne e legumes, a acompanhar com salada verde

Quinta-feira
Peixe assado no forno com batatas, cebola e tomate

Sexta-feira
Espetadas de perú com arroz de cenoura

Sábado
Massa com frango assado desfiado, legumes e natas
Douradinhos

Domingo
Ovos com salsichas
Hamburgueres com puré de batata e bróculos


Por aqui, já há um brilho a natal... e outras histórias.


A pedido do filho mais velho, já fizemos a árvore de Natal. Fizemo-la juntos e depois foi maravilhoso ver a cara do besnico Afonso quando acordou a sesta e viu a árvore e as luzes. Adorou! Não sei é se os enfeites vão chegar ao Natal. Depois, o Afonso também quis contribuir para a decoração da sala, pegou num lápis de cor e riscou a parede toda ao lado da árvore. Foi uma estreia. Nunca o irmão tinha pintado paredes. "Oh, mãe, acho que o mano precisa de um castigo. (...) Tem de ficar o dia todo dentro da cama." Lá lhe expliquei que era um bocadinho demais e que o importante era ensinar-lhe que não se pintam as paredes, mas sim os papéis.

15 de novembro de 2014

Sábado

Muito trabalho para fazer neste sábado chovoso. Filhos em casa, marido num torneio de padel e uma amiga comadre maravilhosa que veio para cá com os dois filhotes, mais a M.C na barriga, McDonald's para todos e disposição para brincar com a criançada enquanto eu me vou refugiando no computador para trabalhar. Pelo meio, delicei-os a todos com crepes quentinhos... com Nutella, com mel ou com doce de framboesa, à vontade do freguês. E a madrinha deu 2 iogurtes ao lanche Afonso. Yeeeesss!!! E vou só aqui despachar, mais uma coisa e deixo o resto para amanhã, que hoje tenho jantar com mães da sala do mais velho. Vamos laurear a pevide. Vai ser giro. E eu bem preciso, que não tenho feito nada a não ser trabalhar como uma condenada. E vai saber bem conversar e beber um copo de vinho e descobrir um restaurante novo. Depois conto tudo! Bom fim de semana.

13 de novembro de 2014

Quem és tu e o que fizeste ao meu filho?

O meu Afonsinho sempre foi o sonho de bebé. Lindo de morrer ( sou mãe, ok?) sempre a rir, bem disposto, boca santa e sempre aberta e bom de dormir. Pois agora decidiu que não come!! Não jantou a semana toda, depois bebe leite à meia noite e volta a refilar às 4 da matina com fome. E não só não come como diz a tudo. E refila. E guincha quando não fazemos o que ele quer. E atira-se para o chão. E não se quer despir. E não se quer vestir... O que fizeste ao meu filho doce?! 

Mãe: ( para o filho mais velho) O mano está muito malandro, não está? Foste tu que o ensinaste?
Filho: não, mãe! Acho que ele está só a ficar mais crescido!! 

Pensei que me dava o badagaio...

Os últimos meses têm sido loucos em termos de trabalho, esta semana, então, está a ultrapassar tudo comigo a trabalhar dia e noite para cumprir prazos, prazos esses sempre definidos a contar que trabalhemos em casa aos fins de semana. E eu estou farta de trabalhar ao fim de semana. Estou farta das reclamações do meu filho mais velho, estou cansada de não ter nenhum dia de "cabeça livre" e para ter este fim de semana (até porque vou estar sozinha com os miúdos) resolvi meter o turbo esta semana. Uma semana de pressão. De prazos. De trabalhar mais de 16 horas por dia. E ontem uma enxaqueca monstra que me impediu de trabalhar depois de jantar. Acordar com a sensação que estava com trabalho em atraso, depois de uma noite em que o pequenino voltou a estar acordado entre as 4h30 e as 5h30 da manhã. E há bocado, na corrida contra o tempo comecei a sentir uma enorme dor no peito, dificuldade em respirar, apetecia-me chorar, sentia um peso enorme no peito... Mas precisava de rever um guião, que ainda tinha de ser visto superiormente. Sentei-me de olhos fecjados num cadeirão e estendi as pernas. Estive assim uma hora, quase dormitei e passou a dor no peito. Pensei em ir ao hospital, estava a sentir-me tão mal... Vamos ver. Vou acabar aqui umas coisas, mas acho que não vou fazer serão como tinha combinado, o mardidão ficou de ir buscar os miúdos para eu ficar a trabalhar até aguentar. Acho que estou exausta.

O Amor! Tão lindo!


Fim de tarde de filho único

O filhote mais velho foi com a avó e com a tia ao piano e eu aproveitei para ir em versão corre-corre ao Colombo com o mais novo comprar uns bodies. No meio do corre-corre houve tempo para muitos beijos, corridas pelos enormes corredores e andar no balancé da Minnie. Assim que viu o balancé quis logo subir e eu não resisti e pus a moedinha... E fiquei ali babada a olhar para ele a sorrir. Estava tão feliz. Mais à frente, encontrou um carrinho mágico, subiu mas já sem moeda, mas adorou à mesma.





Só se assustou com o urso da Natura e ainda olhou para mim, como quem diz: "oh, sua incosnciente?! Trazes-me para junto deste urso enorme!!"

12 de novembro de 2014

Tarefas em que os filhos nos podem ajudar em casa

Encontrei esta tabela no FB da Associação para a Igualdade Parental e Direitos dos Filhos e achei super interessante para partilhar aqui convosco. Acho super importante que toda a família se ajude e coopere em casa, de modo a que todos façam um bocadinho e se sintam responsáveis pelo bem estar e harmonia familiar. Nem sempre sabemos muito bem o que podemos pedir aos nossos filhos e  acho que esta tabela é uma grande ajuda.

O meu filho mais novo - 19 meses - já vai arrumar os sapatos dele e os brinquedos, tanto em casa como na escola. E adora ir buscar coisas e arrumar. Já o mais velho - que faz 5 em Janeiro - a vontade de ajudar dependo dos dias, mas guarda a roupa suja no cesto antes de ir para o banho e ao fim de semana faz a cama, ajuda o pai a despejar a máquina da louça, ajuda a pôr a mesa e sabe separar o lixo.





11 de novembro de 2014

Momentos de família...

A meio da noite.
Filho (baixinho): Mãe, desculpa acordar-te, mas podes chegar-te para lá para eu entrar.
Eu cheguei. Ele entrou. Adormeci.
Filho: (baixinho): Mãe, o meu mano está a chamar-te.
Mãe: (para o lado): Amor, o Afonso está a chamar.
O pai vai. Adormeci. O pai volta.
Pai (para mim): Ele quer-te a ti.
Penso em levantar-me. O Afonso deixa de chamar. Adormeci. Adormecemos todos.
De manhã.
Filho (baixinho): Mãe e pai, desculpem ter-vos acordado à noite. Podemos ligar os bonecos.

10 de novembro de 2014

Somos família pijama

É o segundo ano que a escolinha dos meus filhos adere à fantástica iniciativa do Dia do Pijama!" O ano passado foi um sucesso, as famílias e as crianças aderiram em grande e tenho a certeza que este ano vai ser igual. Este ano, cá em casa temos duas casinhas. Uma para cada filho, que o pequeno também vai contribuir. Não vai perceber nada, mas vai adorar a ideia de ir de pijama para a escola, já que ele detesta vestir-se e despir-se!
E os vossos filhos também vão de pijama para a escola no próximo dia de 20 Novembro?
Espreitem aqui para mais informações.

E não nos podemos esquecer que " todas as crianças têm direito a crescer numa família".

Tanto trabalho

Semana louca de trabalho. Estes dias não consigo ir buscar os meus filhos à escola, mas tenho a sorte de ter uma super mãe e um super marido. Organizámos-nos para a minha mãe ir uns dias e o meu marido ir outros, porque a escola dos miúdos fecha às 18 e o meu marido não consegue ir buscá-los mais do que duas vezes numa semana. Hoje foi a avó buscá-los. Trouxe-os para casa, deu banhos, jantares e ainda tive a sorte de receber um SMS a dizer que estava tudo bem, para eu ficar descansada. É uma sorte poder ter este apoio, para nas semanas em que o trabalho aperta -e eu consigo organizar o trabalho de modo a saber quando é que estou "de banco"-  conseguir planear as ajudas para que tudo corra pelo melhor.   

9 de novembro de 2014

Rastreio à Voz #2

Lá fomos ao rastreio de voz. Correu bem e o meu filho colaborou, principalemnte depois do terapeuta, que é músico, ter cantado algumas músicas das personagens da Disney a que já deu voz. O rastreio confirmou que o meu filho tem alguns nódulos nas cordas vocais, que lhe provocam a rouquidão. A terapia será basicamente para o ensinar a respirar correctamente para ele não forçar tanto a voz. Com dois meses de terapia ficará bom, mas nenhuma terapia funcionará se ele não parar de gritar e de esforçar a voz. Mas qual é a criança que não grita? Nós bem lhe dizemos para ele não gritar, mas basta juntarem-se dois e o volume vai por aí acima. Entrar no ginásio da escola onde eles estão ao final do dia a correr e a brincar é de endoidecer. E eles gritam que nem loucos. E aquilo faz eco. E eles gritam cada vez mais. Para já, vou tentar consciencializá-lo para a questão dos gritos e do esforço nas cordas vocais (adorou a ideia de ter cordas como as da guitarra) para depois então, no novo ano, iniciarmos a terapia. Para já, o caso dele não é grave, mas vai-se agravando e quanto mais cedo for corrigido mais rápida é a resolução. (E é mais uma despesa... E isto é sempre tudo a somar, a somar, a somar...)

Ementa Semanal

Já me perguntaram se não se come sopa. Claro que se come sopa. Todos os dias. Sopa de legumes variados. Fazemos dia sim dia não na Bimby. Esta semana, além da sopa de legumes (muito odiada pelo filhote mais velho) vamos ter canja, que faz as alegrias dele. "Oh, mãe. Canja não é sopa! Não tem legumes!"

Segunda feira
Feijoada de Choquinhos

Terça feira
Massa com salsichsa de peru frescas

Quarta feira
Pescada cozida com batatas, cenoura e bróculos

Quinta feira
Bifes com natas e cogumelos, acompanhados de arroz e esparregado

Sexta feira
Cozido à Portuguesa

Sábado
Nugets 
Espetadas daqui com arroz de legumes (uso os legumes congelados do Lild, cozinho-os com um refogado e depois junto o arroz e a água)

Domingo
Ovo na caneca, espreitem aqui esta receita familiar

Geralmente para o sábado ou domingo deixo apenas uma sugestão porque há sempre sobras e uma das refeições do fim de semana é exactamente isso. Claro que todos preferimos comidinha acabadinha de fazer, mas se há sobras da véspera não as vamos deitar fora. 

Boa semana!

Trabalhar ao fim de semana

O trabalho é mais que muito e preciso sempre de roubar umas horas às noites, ao fim de semana e à família para conseguir cumprir com todos os prazos que tenho. (Tenho tido muitas queixas do filho mais velho e vou tentando que eles não sintam muito, mas nem sempre consigo). Felizmente tenho um maridão que é um paizão e que pegou nos filhos e foi passear com eles para eu poder trabalhar à vontade e conseguir fazer o que me falta. Obrigada, Maridão! Por estares com eles e pela foto que me enviaste.
Os meus amores! É a estreia do pequeno na Quinta pedagógica e deve estar a AMAR, que ele é doido com animais e com os sons dos animais.

7 de novembro de 2014

Rastreio à Voz

Vou agora com o meu filho mais velho fazer um rastreio à voz e às cordas vocais. A professora de piano acho que a rouquidão dele e o timbre tem de ser visto, pois pode ter algum problema nas cordas vocais e que quanto mais cedo for visto, melhor. também pode não ser nada e ser só resultado das alergias, renites e afins, mas mais vale ser visto. Lá vamos nós! Depois conto tudo.

6 de novembro de 2014

Percebemos que andamos a trabalhar de mais quando...

A deitar o filho mais velho, naquele momento de mimo bom. Despedimo-nos para ir trabalhar.
Filho mais velho: Quando é que o teu trabalho acaba?
Eu: Vou trabalhar uma hora e depois já me venho deitar.
Filho mais velho: Não é isso, mãe. É quando é que acaba mesmo! Quando é que acabas o trabalho todo.
Lá lhe expliquei que o trabalho é contínuo, que a mãe tem de trabalhar para termos dinheiro.
Filho mais velho: Já deves ter muito dinheiro!!!
Expliquei que nem por isso. Trabalhava para receber dinheiro todos os meses, dinheiro esse que servia para poder pagar a casa, a luz, a água, a comida, a roupa, os livros, os brinquedos, o parque...
Filho mais velho: O parque?
Mãe: Desculpa, filho... O parque não temos de pagar.
Filho mais velho: Só o parque de estacionamento!

E este é o meu filho mais velho. Sempre atento e com a resposta e a pergunta certa!

Organizar a festa dos 5 anos do meu filho



Gosto de preparar tudo com calma e antecedência. E como o meu filho mais velho faz anos logo a seguir ao Ano Novo é preciso garantir que os convites chegam aos amigos da escola antes dos meninos começarem a ir para fora comemorar o Natal. O dia do aniversário é dos mais aguardados do ano e eu gosto de tratar de tudo com tempo e cuidado. São os anos do meu filho e eu quero que ele tenha um dia muito feliz. Não preciso que seja tudo feito para “a fotografia da revista”(confesso que acho algum exagero algumas festas que hoje em dia se vêm por aí que até a perna da mesa bate com a bandeirinha do brigadeiro), mas quero que esteja tudo bonito, bom e caseiro, e, acima de tudo, que o meu filho sinta que aquele é o dia dele e que fizemos tudo para que ele tenha um dia muito especial, rodeado da família e amigos que o adoram.

Aqui ficam algumas dicas que eu sigo quando estou a organizar a festa:

  1. Definir o budget para a festa;
  2. Escolher o sítio da festa - Tenha em conta, entre outros factores: número de crianças e adultos, condições de higiene e segurança, época do ano e estado do tempo. No verão, os jardins e parques são sempre uma óptima opção e que permite poupar dinheiro. Os Salesianos de Lisboa e do Estoril permitem reservar gratuitamente o espaço. Mas têm que o fazer atempadamente ou não conseguem ter vaga;
  3. Definir o horário - Na comemoração do 2º, 3º e 4º aniversário fiz sempre festas de manhã. Das 10h30 às 13h e as crianças já iam para casa almoçadas e prontas para a sesta. Se calhar, se ele fizesse anos no verão poderia ter optado por festa ao fim do dia, depois das sestas, mas no Inverno anoitece cedo e achei sempre preferivel de manhã. Este ano, pela primeira vez, e como o meu filho e os amigos já não dormem a sesta vou fazer a festa às 16h.
  4. Escolher o tema da festa - Aqui, conto sempre com a preciosa ajuda do meu filho. Ele é que escolhe. Já tivemos o Mickey, o Pirata Jake, o Homem Aranha e este ano o escolhido é o Hulk;
  5. Fazer os convites - Eu procuro uma imagem gira na internet e faço (com a ajuda do talentoso maridão) um convite personalizado, que imprimo e corto numa loja de cópias perto de casa. Fica melhor do que imprenso em casa e não fica muito caro. Ao contrário dos convites comprados que são uma pequena fortuna.
    1. Certifique-se que eles chegam aos convidados atempadamente. Os miúdos adoram ter todos os amigos presentes na festa. Se enviarem o convite muito em cima da hora correm o risco de ter muitas crianças que não podem ir, porque as famílias já têm outros compromissos para esse dia.
    1. Peça as confirmações para uns dias antes da festa para que se consiga organizar e saber o número certo de convidados;
    2.  ai convidar os pais dos amiguinhos da escola para ficarem na festa ou fica com as crianças todas à sua responsabilidade? Mais uma vez, este ano será uma estreia e os pais vão deixar os filhos para os virem buscar depois. Mas quando eles são pequeninos, acho aconselhável que os pais fiquem.
  6. Definir o menu - O que é que vai fazer e o que é que vai mandar fazer fora? Eu faço sempre tudo, deixo-vos aqui um exemplo de menu da festa do 3º aniversário, à excepção do bolo de aniversário, que é sempre a estrela do lanche e que encomendo a alguém da maior confiança; as crianças comem pouco - faça tudo em doses pequenas e sandes partidas em 4 para evitar que desperdicem - mas conte com os adultos (pais, tios, primos...) 
  7. Pensar a decoração - Tem de comprar tudo (Toalha, guardanapos, garfos e colheres, taças, pratos, velas, grinaldas e afins) ou o espaço que vai utilizar / alugar disponibiliza o material? Eu opto sempre por materiais lisos (que são muito mais baratos) com pequenos apontamentos alusivos ao tema da festa;
  8. Lembranças? - Até agora nunca dei o famoso saquinho das guloseimas. Eles já encheram a barriga de doces na festa (acho que é mesmo a única coisa que os miúdos comem) e acho um disparate levarem mais um saco cheio de doces para casa. Nada contra quem faz, e sei bem a alegria do meu filho quando os recebe, mas acho um exagero e mais uma despesa que pode ser cortada.
  9. Animação. Eu nunca precisei de contratar animação. A regra tem sido deixá-los brincar. Eles passam a semana com calendários apertados e as festas devem ser tempo de brincadeira, mas pode sempre pensar em jogos para fazer com eles caso veja que precisam de orientação.
    1. Nunca contratei animação, mas contrato uma pessoa para fazer pinturas faciais, que são sempre um sucesso!
  10. Há empresas que fazem tudo por si. Se tem budget e pouco tempo ou paciência para tratar da festa, pode ser uma boa opção. 
  11. Divirtam-se!